PUBLICIDADE

Rio voltará a ter Carnaval na Sapucaí em 2022, diz Liesa

Neste ano, o Rio não teve Carnaval nem na Sapucaí nem com os tradicionais blocos de rua devido à pandemia

8 jul 2021 18h44
| atualizado às 18h51
ver comentários
Publicidade

As escolas de samba do Rio de Janeiro voltarão a desfilar na Marquês de Sapucaí no Carnaval de 2022, depois que o espetáculo deste ano foi cancelado devido à pandemia de covid-19, informou nesta quinta-feira a entidade que representa as agremiações.

De acordo com a Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), que assinou contrato com a prefeitura para realização do Carnaval pelos próximos quatro anos, os desfiles do próximo ano devem acontecer com a presença de público nas arquibancadas do Sambódromo devido ao avanço da campanha de imunização no país.

Neste ano, o Rio não teve Carnaval nem na Sapucaí nem com os tradicionais blocos de rua devido à pandemia.
Neste ano, o Rio não teve Carnaval nem na Sapucaí nem com os tradicionais blocos de rua devido à pandemia.
Foto: Gilson Borba / Futura Press

"A vacinação em massa nos dá expectativa de que teremos um Carnaval completo e grandioso novamente na Sapucaí", disse o presidente da Liesa, Jorge Perlingeiro, à Reuters.

"Ainda temos sete meses pela frente para um controle ainda maior da doença", acrescentou. "Trabalhamos com a perspectiva de presença de público nas arquibancadas, camarotes e frisas. Para ser economicamente viável, o Carnaval na Sapucaí tem que ter pelo menos 70% de capacidade."

Neste ano, o Rio não teve Carnaval nem na Sapucaí nem com os tradicionais blocos de rua devido à pandemia.

O primeiro caso de covid-19 no Brasil foi registrado em fevereiro de 2020, logo após o Carnaval daquele ano, e especialistas acreditam que o coronavírus já estava em circulação no país durante o período de festas, o que teria contribuído para ampla disseminação da doença.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade