3 eventos ao vivo

Como aprendemos a comer plantas tóxicas como mandioca sem ajuda da ciência

A mandioca é muito perigosa se não for preparada adequadamente, então como as pessoas desenvolveram e compartilharam esse conhecimento?

10 set 2019
08h59
atualizado às 09h47
  • separator
  • 0
  • comentários

Em 1860, os exploradores Robert Burke e William Wills lideraram a primeira famosa expedição europeia pelo interior desconhecido da Austrália.

Robert Burke, William Wills e John King chegando ao Coopers Creek em 1861
Robert Burke, William Wills e John King chegando ao Coopers Creek em 1861
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Mas a sorte não esteve ao lado deles. Devido a uma combinação de falta de comando, mau planejamento e azar, Burke, Wills e um terceiro integrante, John King, ficaram sem comida na viagem de volta.

Burke e Wills ficaram presos às margens do rio Cooper's Creek, e não conseguiram pensar em um jeito de transportar consigo água suficiente para atravessar um trecho de deserto até o posto de controle colonial mais próximo, no Mount Hopeless.

"Não conseguimos sair do rio", escreveu Wills. "Ambos os camelos estão mortos e nossos suprimentos acabaram. Estamos tentando sobreviver de todas as formas possíveis".

As adversidades enfrentadas pelo trio, contudo, não pareciam afetar o cotidiano do povo nativo, os yandruwandha.

Os yandruwandha deram aos exploradores bolos feitos a partir de vagens esmagadas de uma samambaia chamada nardoo.

Nardoo é um tipo de samambaia nativa da Austrália
Nardoo é um tipo de samambaia nativa da Austrália
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Burke brigou com eles e, imprudentemente, os afastou ao disparar sua pistola.

Mas talvez o trio já tivesse aprendido o suficiente para sobreviver? Eles encontraram nardoo fresco e decidiram fazer seus próprios bolos. No começo, tudo parecia correr bem. Os bolos nardoo satisfaziam seu apetite, mas eles se sentiam cada vez mais fracos.

Dentro de uma semana, Wills e Burke estavam mortos. Acontece que o nardoo requer um preparo complexo.

O nardoo, um tipo de samambaia, é coberta por uma enzima chamada tiaminase, que é tóxica para o corpo humano. A tiaminase impede a absorção pelo corpo da vitamina B1, que tem entre suas principais funções o metabolismo dos carboidratos, lipídios e proteínas e a estimulação de nervos periféricos.

Em outras palavras: embora tivessem comido, Burke, Wills e King continuavam desnutridos.

Os yandruwandha, por outro lado, recorriam a um longo preparo para tornar a tiaminase menos tóxica.

Praticamente morto, King buscou ajuda dos yandruwandha, que o mantiveram vivo até a chegada da ajuda de outros exploradores europeus meses depois. Ele foi o único membro da expedição que sobreviveu.

Mandioca pode ser altamente tóxica se preparada incorretamente
Mandioca pode ser altamente tóxica se preparada incorretamente
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Como comida, a nardoo é mais uma curiosidade. O que não é o caso da mandioca, que é uma fonte vital de calorias em várias regiões do mundo, em particular na África e na América Latina.

A rigor, há dois tipos de mandioca, a mandioca mansa, também chamada de mandioca de mesa (conhecida também no Brasil pelos nomes de macaxeira e aipim), e a mandioca brava, conhecida como mandioca de indústria. As duas são extremamente parecidas, mas a mandioca brava é altamente tóxica - e requer um procedimento industrial ou um ritual de preparação tedioso e complexo para torná-la um alimento seguro. Ela libera cianeto de hidrogênio.

Nos centros urbanos, a mandioca comercializada como alimento é sempre a mansa. Mas em zonas rurais, em lugares mais remotos na África, a mandioca mais comum pode ser a brava, e, por isso, se não fora preparada adequadamente, pode causou sérios problemas de saúde.

Um deles é uma condição chamada konzo, com sintomas que incluem paralisia súbita das pernas.

Em 1981, em Nampula, Moçambique, um jovem médico sueco chamado Hans Rosling não sabia disso. Como resultado, passou por uma situação profundamente intrigante.

Mais e mais pessoas batiam à porta de sua clínica com paralisia nas pernas. Poderia ser um surto de poliomielite? Não. Os sintomas não estavam descritos em nenhum livro.

Com o início da guerra civil em Moçambique, poderiam ser armas químicas?

Menino com konzo, fotografado no Zaire (atual República Democrática do Congo) em setembro de 1986
Menino com konzo, fotografado no Zaire (atual República Democrática do Congo) em setembro de 1986
Foto: Thorkild Tylleskar / BBC News Brasil

A mulher e os filhos de Rosling deixaram o país, mas ele decidiu continuar suas investigações in loco.

Foi uma colega de Rosling, a epidemiologista Julie Cliff, que acabou descobrindo o que estava acontecendo.

As refeições de mandioca que eles ingeriam haviam sido processadas de forma incompleta. Já com fome e desnutridos, não podiam esperar tempo suficiente para tornar a mandioca segura. E, como resultado, desenvolveram o konzo.

Plantas tóxicas estão por toda parte. Às vezes, processos simples de cozimento são suficientes para torná-las comestíveis. Mas como alguém aprende a elaborada preparação necessária para a mandioca ou o nardoo?

Para Joseph Henrich, professor de biologia evolucionária humana na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, esse conhecimento é cultural, e nossas culturas evoluem por meio de um processo de tentativa e erro análogo à evolução em espécies biológicas.

Assim como a evolução biológica, a evolução cultural pode - com tempo suficiente - produzir resultados impressionantemente sofisticados.

Funciona assim, segundo Henrich: em algum momento, alguém descobre como tornar a mandioca menos tóxica. Com o passar do tempo, outras descobertas são feitas. Esses rituais complexos podem, assim, evoluir, cada um ligeiramente de forma mais eficaz que o anterior.

Na América do Sul, onde humanos comem mandioca há milhares de anos, as tribos aprenderam os muitos passos necessários para desintoxicá-la completamente: raspar, ralar, lavar, ferver o líquido, deixar a massa repousar por dois dias e depois assar.

Produção de farinha de mandioca requer preparo rigoroso
Produção de farinha de mandioca requer preparo rigoroso
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Quando questionados sobre por que fazem isso, poucos vão dizer que se trata de cianeto de hidrogênio. Eles simplesmente vão dizer "esta é a nossa cultura".

Na África, a mandioca foi introduzida apenas no século 17. Não veio com um manual de instruções. O envenenamento por cianeto ainda é um problema ocasional; as pessoas recorrem a técnicas porque o aprendizado cultural ainda está incompleto.

Henrich argumenta que a evolução cultural é muitas vezes muito mais inteligente do que nós.

Seja construindo um iglu, caçando um antílope, acendendo uma fogueira, fazendo um arco longo ou processando mandioca, aprendemos não porque entendemos os princípios básicos, mas imitando.

A 19th Century engraving depicting Eskimo people making an igloo.
A 19th Century engraving depicting Eskimo people making an igloo.
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Em 2018, um estudo desafiou os participantes a colocar pesos nos raios de uma roda para maximizar a velocidade com que ela descia uma ladeira.

Os conhecimentos adquiridos eram passados para o próximo participante, que, assim, se saíam muito melhor. No entanto, quando questionados, eles não mostraram nenhum sinal de realmente entender por que algumas rodas rodavam mais rápido que outras.

Estudos realizados posteriormente mostram que o comportamento de imitar é instintivo entre humanos.

Testes revelam que chimpanzés de dois anos e meio e humanos têm capacidades mentais semelhantes - a menos que o desafio seja aprender a imitar alguém. Crianças são muito melhores em imitar do que os chimpanzés.

Humanos imitam de uma maneira que os chimpanzés não - psicolólogos chamam isso de superimitação
Humanos imitam de uma maneira que os chimpanzés não - psicolólogos chamam isso de superimitação
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

E os humanos imitam de uma maneira ritualística que os chimpanzés não seguem. Os psicólogos chamam isso de superimitação.

Pode parecer que os chimpanzés são mais inteligentes. Mas se você estiver processando raízes de mandioca, a superimitação é de extrema importância.

Se Henrich estiver certo, a civilização humana se baseia menos em inteligência bruta do que em uma capacidade altamente desenvolvida de aprender um com o outro.

Ao longo das gerações, nossos ancestrais acumularam ideias úteis por tentativa e erro, que foram copiadas pelas gerações seguintes.

Sem dúvida, algumas ideias menos úteis foram misturadas com elas, como a necessidade de uma dança ritual para fazer as chuvas chegarem, ou a convicção de que sacrificar uma cabra fará com que um vulcão não entre em erupção.

Mas no geral, aparentemente, fizemos melhor copiando sem questionar do que supondo, como os chimpanzés, que éramos suficientemente inteligentes para dizer quais etapas poderíamos ignorar com segurança.

É claro que a evolução cultural pode nos levar até um determinado patamar. Agora temos o método científico para nos dizer que sim, realmente precisamos deixar a mandioca descansar por dois dias, mas, não, o vulcão não se importa com as cabras.

Quando entendemos os princípios básicos, podemos evoluir mais rapidamente do que por tentativa, erro e imitação. Mas não devemos menosprezar o tipo de inteligência coletiva que salvou a vida de King.

Foi o que tornou possível a civilização - e uma economia em funcionamento.

Tim Harford é autor da coluna Undercover Economist no jornal britânico Financial Times.

Veja também

Veja o momento em que elefante avança contra multidão no Sri Lanka

 

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade