3 eventos ao vivo

Ary França detona falta de apoio à cultura: Governo ridículo

Ator vê streaming como saída para a arte nacional: “Como o serviço vem de fora, não pega a nossa confusão aqui, esse imbróglio ideológico”.

20 set 2019
17h24
atualizado às 18h23
  • separator
  • 0
  • comentários

O ator Ary França acredita que fazer arte no Brasil tem sido uma tarefa árdua. Segundo ele, o período de recessão (iniciado em 2014), já havia sido um marco negativo para quem vive da cultura, mas as atuais medidas propostas por gestores públicos e representantes de instituições culturais endurecem ainda mais a execução das produções nacionais.

“Está difícil porque as estatais, como a Petrobras, deixaram de investir no setor. O cinema sentiu essa sangria, a Ancine (Agência Nacional do Cinema) agora ‘fechada’... Isso tudo não vai abrindo caminhos para o fazer artístico. Pelo contrário, vai só fechando. A recessão já era uma coisa que estava nos maltratando, mas agora temos ainda a falta de apoio desse governo ridículo. Falta de apoio, não. A falta total de ciência que esse povo tem do que é arte”, avaliou o ator, em entrevista ao Terra.

Ator Ary França na pele de Dorival, em Morde e Assopra, da Globo
Ator Ary França na pele de Dorival, em Morde e Assopra, da Globo
Foto: TV Globo / João Miguel Júnior / Divulgação

No sentido oposto ao corte orçamentário e ao endurecimento da vigilância para o que é produzido, França destaca a consolidação dos serviços de streaming como uma saída para a arte nacional. “Eu estou pagando os últimos boletos graças ao streaming. Acho que mudou todo o panorama. E como a Netflix, a Amazon e outras vêm de fora, não pegam a nossa confusão aqui. Esse imbróglio ideológico. Passam ao largo disso e vieram salvar tudo”, acrescentou o ator, que teve no streaming seu recente trabalho mais importante. Na série Samantha! (2018), ele interpretou o personagem Zé Cigarrinho, melhor amigo da protagonista homônima à produção.

Segundo o ator, medidas como a proposta pela Vivo, de reinagurar um espaço como o Teatro Vivo, são um respiro para a arte. “O governo faz uma propaganda contrária e afasta investimentos para o setor. Isso vai nos atrapalhando porque as pessoas depois ficam ‘assim’ para investir. Ainda bem que aqui tivemos duas empresas fortíssimas. Uma estatal (Banco do Brasil) e a Vivo, que é uma privada, insistindo na arte”, disse, durante a reinauguração do Teatro Vivo, na noite de quinta-feira 19, na Av. Dr. Chucri Zaidan, Morumbi, em São Paulo.

No espaço, a atriz Denise Fraga estreou o novo palco com o monólogo “Eu de Você”, texto que reúne histórias e dramas de pessoas reais. Para o ator, colega de profissão se saiu muito bem. “Apresentar um monólogo é muito difícil. Você não tem onde se escorar. Mas a Denise tem uma coisa muito legal: a conexão com a alma dela, com o sentimento dela. É ali onde ela se escora. Então, para mim é uma lição. Porque ela está muito conectada com a verdade, com a fé que ela tem no teatro, com o amor que ela tem pelo público. Isso é o grande trunfo da Denise”, avaliou Ary França, que recomenda o espetáculo. “É absolutamente incrível, ninguém deve perder.”

Novos ares

Este ano, Ary França volta aos cinemas com o filme “45 do Segundo Tempo”, dirigido por Luiz Villaça. No longa sobre o reencontro de amigos de longas datas, ele contracenará com Tony Ramos e Cássio Gabus Mendes. “O trio é quase que ‘caros amigos’, sabe? São três 'veinhos' que vão atrás do seu passado para recuperar algumas coisas. Disso, sai uma comédia um pouco trágica, mas não muito”, detalhou. 

Veja mais:

 

Fonte: Equipe portal
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade