PUBLICIDADE

Inflação no primeiro semestre: o que rolou?

No Simplão do Corre desta segunda-feira (11), Roberta Camargo explica sobre a inflação do primeiro semestre no Brasil

11 jul 2022 - 05h00
Ver comentários
Inflação no primeiro semestre: o que rolou?:

Se tem algo que nos surpreende, assim como o preço de tudo que é necessário comprar nos últimos meses, é também a velocidade que o tempo parece estar passando. De olho nisso, percebo que nossa indignação com as altas nos preços é constante, mas branda.

Certamente pela sensação de impotência diante de tudo que tem acontecido e nos atropelados do início do ano para cá. Conversei com a economista Regiane Vieira Wolcher, que ressaltou a importância de diálogos sobre este tema, sobretudo com a população mais pobre, que mais perdeu poder aquisitivo.

Na troca com a economista, entendemos o que implica na movimentação da inflação e como isso deveria acontecer numa economia saudável. Spoiler: a realidade está bem distante da nossa. Por aqui, a inflação, que é o nome dado aos aumentos dos preços e produtos finais, pode ser calculada de duas formas.

IPCA, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, que analisa a variação do custo da população que ganha entre 1 e 40 salários mínimos, e o INPC  criado pelo IBGE e que analisa o custo de vida média das famílias com renda entre 1 e 5 salários mínimos. É interessante observar as variações dos dois índices, porque só reforça a informação trazida pela especialista e enfrentada na mesa de tantos lares.

Pensando em tudo que ainda temos para viver no semestre que se inicia, Regiane conta que a expectativa para redução no preços de itens como alimentos e combustíveis é baixa, principalmente considerando que os problemas que amparam os preços altos são mais profundos e dependem de tempo e dedicação da equipe econômica do governo para serem resolvidos. Mas bora entender melhor esse cenário no vídeo de hoje?

Fonte: Redação Terra
Publicidade
Publicidade