PUBLICIDADE

Miséria na Cracolândia vira "dinheiro" para perfis no TikTok; entenda

Dono de conta no TikTok chegou a dizer que jogaria moedas aos usuários de drogas caso atingisse 10 mil seguidores

15 mai 2023 - 14h39
Compartilhar
Exibir comentários
Usuária se aproveita de vulnerabilidade de pessoas na Cracolândia para hitar no TikTok
Usuária se aproveita de vulnerabilidade de pessoas na Cracolândia para hitar no TikTok
Foto: Reprodução

Usuários do TikTok estão viralizando com vídeos que exploram a miséria das pessoas que estão em situação de vulnerabilidade no Centro de São Paulo, na região da Cracolândia. A área, localizada no bairro da Santa Ifigênia, é conhecida como ponto de uso e venda de drogas.

Na rede social chinesa, usuários mostram diversas situações do dia a dia dos usuários de entorpecentes, fazem lives com a movimentação das ruas e arrecadam dinheiro de seguidores com as transmissões ao vivo. 

De acordo com o G1, o perfil de ‘Jasmine Carter’ estava realizando transmissões no TikTok sobre a Cracolândia em busca de engajamento e dinheiro — recentemente a plataforma passou a remunerar criadores de conteúdo. Um recurso em lives permite que os espectadores apoiem seus criadores favoritos com presentes virtuais (figurinhas) que podem ser convertidos em reais.

Em um dos conteúdos, o perfil chegou a dizer que jogaria moedas pela janela caso atingisse 10 mil seguidores – a rede social retirou a conta do ar antes que isso ocorresse. 

O perfil também estava criando fake news afirmando que havia um auxílio do governo chamado "Bolsa Crack de R$ 700 e pouco". 

Usuários exploram vulnerabilidade

Esse não é o único perfil que explora a vulnerabilidade dos usuários de droga. Diversos conteúdos com a hashtag "Cracolândia" são postados diariamente no TikTok e mostram a situação caótica no Centro. "Não é um filme de Zumbi", diz a legenda do vídeo compartilhado pelo perfil "Tenente Josmir". A publicação em mais de 235 mil visualizações

@tenentejosemir

 

♬ som original - tenentejosemir

Uma pesquisa realizada pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), a pedido da Secretaria Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas e divulgada no início deste ano mostrou que a estimativa do número de frequentadores da Cracolândia é de 1.343 pessoas, com variações ao longo do dia. Quase 40% deles vivem no local há mais de uma década.

Ao G1, Priscila Akemi Beltrame, vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de São Paulo, disse que é clara a violação aos direitos humanos no conteúdo disseminado pelo perfil na rede social. "A população vulnerável tem direito à privacidade". 

Fonte: Redação Byte
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade