Em diários, Einstein chamou cientista brasileiro de ‘macaco’ e povo de ‘semi-aculturado’

Declarações racistas do físico são relatadas em livro que conta sobre sua viagem à América do Sul em 1925

25 mai 2024 - 22h55
Foto: Getty Images

Em 1925, o físico Albert Einstein visitou a América do Sul. Ele passou pela Argentina, Uruguai e Brasil, mas pareceu ter vindo a contragosto. É o que revelam declarações escritas por ele mesmo. Na época, por exemplo, ele escreveu uma carta reclamando sobre a viagem a um amigo: "Não tenho vontade de encontrar índios semi-aculturados usando fumo". Já em seu diário, chamou um pesquisador do Rio de Janeiro de “legítimo macaco”.

As declarações racistas estão reunidas no livro "Os Diários de Viagem de Albert Einstein: América do Sul". A edição ficou a cargo de Ze'ev Rosenkranz, que trabalha com cartas e diários de Einstein desde 1988.

Publicidade

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, ele explicou que “esses escritos apresentam uma imagem mais completa de Einstein, evidenciando seus limites". Ele descreve Einstein como “um homem do século 19” que tinha o racismo como “parte de sua visão biológica do mundo”.

Para ele, os diários da viagem de 1925 estão entre os documentos mais “autênticos” do pesquisador, pois foram escritos para fins pessoais – sem planejamento para serem publicados.

No caso dessa viagem à América do Sul, Einstein decidiu ceder sua vinda à região após insistência de comunidades científicas e judaicas. Outro fator que o fez viajar foi a vontade de se distanciar da secretária com quem tinha um caso e, no momento, queria se separar.

Ele ficou de março a maio entre a Argentina, Uruguai e o Brasil. A viagem rendeu 43 páginas escritas em um caderno pautado.

Publicidade
Fonte: Redação Terra
Curtiu? Fique por dentro das principais notícias através do nosso ZAP
Inscreva-se