Buraco negro com massa 1,5 milhão de vezes maior que o Sol desperta no centro da sua galáxia

Detecção foi feita por astrônomos do Observatório Europeu do Sul. 'Comportamento não tem precedentes', avalia especialista

19 jun 2024 - 05h04
(atualizado às 08h14)

Astrônomos observaram pela primeira vez um buraco negro supermassivo despertando e incendiando o centro de sua galáxia, informou o Observatório Europeu do Sul nesta terça-feira, 18.

A galáxia, situada a 300 milhões de anos-luz da Terra, na constelação de Virgem
A galáxia, situada a 300 milhões de anos-luz da Terra, na constelação de Virgem
Foto: ESO/Divulgação / Estadão

A galáxia, situada a 300 milhões de anos-luz da Terra, na constelação de Virgem, esteve adormecida durante décadas até ao final de 2019, quando de repente começou a brilhar mais forte do que nunca.

Desde então, o centro da galáxia — onde se acredita estar localizado um buraco negro supermassivo — tem emitido uma grande variedade de radiação.

"Este comportamento não tem precedentes", disse em comunicado Paula Sánchez Saez, astrônoma chilena do Observatório Europeu do Sul e principal autora de um novo estudo publicado na revista Astronomy&Astrophysics.

A "opção mais tangível" para explicar este brilho é que os astrônomos detectaram "a ativação de um buraco negro massivo em tempo real", segundo Lorena Hernández García, co-autora do estudo.

  • Acredita-se que a maioria das galáxias — incluindo a Via Láctea, onde a Terra está localizada —, tenha um buraco negro supermassivo em seu centro.
  • Como são, por definição, invisíveis, a única forma de observá-los é quando destroem algum corpo gigante que emite luz.

"Estes monstros gigantes geralmente estão dormindo", explicou Claudio Ricci, coautor do estudo.

Mas no caso da galáxia SDSS1335+0728, "fomos capazes de observar o despertar do buraco negro massivo, (que) de repente começou a se alimentar do gás disponível em seus arredores, tornando-se muito brilhante", acrescentou o astrofísico.

As observações iniciais indicam que o buraco negro tem 1,5 milhão de vezes a massa do Sol, o que é suficiente para ser classificado como supermassivo.

Mas ainda é um peso pena, uma vez que os maiores buracos negros supermassivos ultrapassam facilmente um bilhão de vezes a massa solar.

A equipe internacional de astrônomos está agora analisando dados de vários telescópios na esperança de determinar se a atividade deste buraco negro é temporária, caso seja causada pela destruição de uma estrela, ou se permanecerá ativa durante muito tempo.

"Isto é algo que também pode acontecer com o nosso próprio Sgr A", como é conhecido o buraco negro supermassivo da Via Láctea, que felizmente permanece profundamente adormecido, afirmou Hernández García. /AFP

Publicidade
A galáxia, situada a 300 milhões de anos-luz da Terra, na constelação de Virgem
Foto: ESO/Divulgação / Estadão
TAGS
Curtiu? Fique por dentro das principais notícias através do nosso ZAP
Inscreva-se