PUBLICIDADE

50 anos do Hip Hop: Museu das Favelas comemora seu primeiro ano de existência

Programação gratuita é voltada a todos os públicos, em especial, de periferias, ocupações e outros territórios

22 nov 2023 - 18h13
(atualizado em 23/11/2023 às 11h16)
Compartilhar
Exibir comentários
Carla Zulu, porta-voz e coordenadora de relações institucionais do Museu das Favelas
Carla Zulu, porta-voz e coordenadora de relações institucionais do Museu das Favelas
Foto: Carlos Pires

O Museu das Favelas é uma instituição da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas do Estado de São Paulo. Ele se estabelece ao ocupar o Palácio dos Campos Elíseos, como um espaço dedicado em criar oportunidade para que as favelas tenham protagonismo em suas diversas camadas: nas memórias, pautas, produções, exposições, atividades, nos espaços de decisão e de gestão. 

Com apoio da SulAmérica, nesta celebração de aniversário de um ano do Museu, o Festival Museu das Favelas acontece no último domingo do mês, 26, abrindo suas portas para celebrar o primeiro aniversário da instituição. 

Nesta agenda, é feita uma homenagem ao Hip Hop que, há 50 anos, surgia com uma festa no Bronx. Ali, Cindy Campbell e seu irmão DJ Kool Herc uniram, pela primeira vez, o rap, o break, o graffiti e o DJ. Esse encontro foi batizado e consolidado como cultura Hip Hop pelo DJ Afrika Bambaataa, fundador da Universal Zulu Nation. 

Seguindo com seu propósito, o importante equipamento cultural se prepara para comemorar seu primeiro aniversário em novembro, com programação gratuita e voltada a todos os públicos, em especial, de periferias, ocupações e outros territórios, potencializando suas vozes, lutas e memórias.

O evento começa, às 10h, com uma ação Live Paint no jardim, valorizando a atuação feminina na arte urbana, na cultura local e no próprio Hip Hop. Conta com a participação das grafiteiras Patrícia Rizka, Amanda Pankill e Dina Inuma, que fazem parte da Frente Nacional de Mulheres no Hip Hop.

Na sequência, às 11h, acontece a batalha de b-boys e b-girls, uma competição de breaking (dança) na categoria 1×1, com a participação dos DJs Ninja, Zulu e Rock Master, o DJ e MC Rooneyoyo e o coletivo Psycho Crew - Street Warriors.  A premiação ocorre na categoria 1×1 e os participantes serão julgados por aclamação do público a partir de critérios como originalidade, dificuldade e musicalidade.

Às 14h, entra em cena o Slam, uma competição de poesias faladas, com o apoio da fabricante de sorvetes Ben & Jerry 's - marca ativista, que promove várias campanhas ligadas a causas sociais e combate a preconceitos. Nessa competição, os participantes terão três minutos para apresentar suas poesias, sem utilização de objetos cênicos e acompanhamento musical. O júri será escolhido dentre o público, que decidirá os ganhadores da premiação. A apresentação fica por conta de Lika Rosa e Charles, o Matemático.

Encerrando o dia, às 16h30, o DMC Brasil vai mandar um som para celebrar a cultura de DJ, festas, bailes e discos de vinil, apresentando performances das habilidades de manipulação dos discos, sejam vinis ou digitais, apresentando as novas tendências e valorizando o início das mixagens.

Durante o dia, haverá a tradicional feira com produtos, comidas e bebidas vendidos por empreendedores periféricos vinculados ao Museu.

SERVIÇO

1° Festival Museu das Favelas

Dia: 26 de novembro

Horário: 10h às 18h

Entrada: Gratuita

Endereço: Rua Guaianases, 1024 - Campos Elíseos, São Paulo 

Ativações:

Às 10h, Live Paint Graffiti, com as grafiteiras Patricia Rizka, Amanda Pankill e Dina Inuma, da Frente Nacional de Mulheres no Hip Hop

Às 11h, Batalha de B-Boys e B-Girls

Às 14h, Slam, ação oferecida por Ben & Jerry's

Às 16h, Discotecagem de encerramento

Confira aqui programação completa do Museu das Favelas!

AUR
Compartilhar
Publicidade
Publicidade