O retiro secreto da monarquia britânica no Quênia

6 jan 2015
06h18
  • separator

Embora seja um dos parques naturais mais desconhecidos do Quênia, a singularidade de Aberdare o transformou em um retiro secreto para a monarquia britânica no país.

Suas selvas tropicais, cascatas e florestas foram cenário de alguns dos momentos-chave da Coroa inglesa.

A menos de três horas de carro de Nairóbi, a reserva esconde a "joia da Coroa": o Treetops, um hotel com vista para o imponente monte Quênia, de onde os visitantes podem observar uma multidão de animais selvagens que vivem na região.

Construído em 1932, originariamente o Treetops não era mais que uma plataforma de caça com uma cabana de dois quartos montada sobre um enorme figueira de mais de 300 anos, para onde os viajantes aventureiros chegavam a pé escoltados por caçadores que lhes protegiam dos animais.

Vinte anos mais tarde, foi ampliado para acolher uma de suas hóspedes mais distintas: a princesa Elizabeth da Inglaterra e seu marido, o príncipe Phillip. Para a ocasião, foi acrescentado um terceiro quarto e uma pequena cabine para o caçador que permanecia de guarda.

As paredes do Treetops ainda lembram a visita da jovem Elizabeth através de várias fotografias em preto e branco que imortalizam sua passagem pelo parque e transportam os hóspedes atuais algumas décadas para o passado, quando o Quênia ainda era colônia britânica.

O que a jovem princesa não sabia ao pisar no Quênia era que Aberdare ia se transformar no palco de um dos capítulos mais importantes de sua vida.

Conta a lenda que na noite do dia 5 de fevereiro de 1952, a jovem Elizabeth subiu à centenária figueira sendo princesa e, após passar a noite nela, desceu como a nova rainha de um poderoso império.

"O rei George VI da Inglaterra morreu durante aquela noite e na manhã seguinte a princesa desceu da cabana sendo a rainha Elizabeth II", relata à Agência Efe Elizabeth Nguraru, diretora do Treetops, que reconhece que muitos turistas se hospedam neste hotel atraídos por esta história.

O livro de visitas do hotel imortalizou este episódio histórico, pois o caçador que escoltou o casal durante sua visita, Jim Corbett, escreveu: "Pela primeira vez na história do mundo, uma menina jovem subiu em uma árvore sendo princesa e, após experimentar o que ela mesma descreveu como a experiência mais emocionante, desceu da árvore no dia seguinte sendo rainha".

Este retiro secreto, que marcou a vida da rainha da Inglaterra, continua sendo um lugar muito especial para a Corona britânica. Por isso, o príncipe William escolheu justamente uma área muito próxima para pedir sua atual esposa, Kate Middleton, em casamento em 2010.

A rainha Elizabeth II nunca esqueceu o parque de Aberdare, que surpreende com uma paisagem cheia de contrastes - florestas e selvas tropicais - no Quênia, o país conhecido mundialmente por suas extensas savanas.

Por isso, "como prometeu, a rainha voltou em novembro de 1983", lembra Ngararu, que assegura que outras personalidades da realeza europeia e chefes de Estado - cujos nomes prefere não revelar - também visitaram o hotel.

Embora já nada reste da estrutura original do Treetops, que foi incendiada em 1954 por guerrilheiros Mau Mau durante a rebelião contra a Administração Colonial, sua essência perdura até a atualidade.

A antiga cabana sobre a árvore se transformou agora em uma construção de madeira com 36 quartos feita sobre pilares, abraçando os galhos da enorme figueira, em frente a um lago aonde chegam elefantes, búfalos e, ocasionalmente, rinocerontes e leopardos.

A oportunidade de poder fazer um safári do próprio quarto, ou dos terraços do hotel, continua atraindo turistas que não querem perder este espetáculo da natureza.

Para que os hóspedes não percam nem um detalhe da vida selvagem da reserva, cada quarto do hotel tem um timbre que avisa quando os guardas detectam a presença de algum animal no lago do hotel.

Então, os turistas só têm que ir para a janela para desfrutar do país dos safáris em estado puro.

Veja também:

De andador, veterano de guerra de 99 anos arrecada milhões para saúde pública britânica
EFE   
publicidade