Conheça o Seaview, maior navio turístico a aportar no Brasil

Com design mais aberto, embarcação é a aposta da MSC para movimentar mercado de cruzeiros no País e chega por aqui em dezembro

5 set 2018
10h00
  • separator
  • comentários

No boom dos cruzeiros no Brasil, na temporada de 2010/2011, 20 navios aportaram em águas tupiniquins. Desde então, o mercado encolheu (serão seis nesta temporada) e as novidades para os cruzeiristas diminuíram sensivelmente. Este ano, contudo, a maré parece ter mudado (perdoe o trocadilho) com a chegada do novíssimo MSC Seaview. Trata-se do maior navio turístico a aportar por aqui, construído exclusivamente para navegar em regiões de climas quentes e tropicais - como o litoral brasileiro.

Tirolesa de 105 metros cruza o MSC Seaview, que chega ao Brasil em 2 de dezembro
Tirolesa de 105 metros cruza o MSC Seaview, que chega ao Brasil em 2 de dezembro
Foto: MSC Cruzeiros / Divulgação

O projeto foi desenvolvido para que os hóspedes aproveitassem ao máximo as áreas externas. Além das sempre disputadas piscinas (são cinco ao todo), a embarcação conta com uma promenade à beira-mar, no oitavo piso, que pode ser vista da Ponte dos Suspiros, passarela de vidro no 16.º andar.

"Trata-se de uma experiência mais próxima ao nível do mar. Justamente por isso acreditamos que o navio agradará aos brasileiros, que estão acostumados com esse tipo de clima e poderão ter mais espaços a céu aberto", diz o diretor-geral da MSC no Brasil, Adrian Ursilli.

O transatlântico aporta em 2 de dezembro em Salvador, segue para o Rio e depois para Santos, onde fica alocado até retornar à Europa, em março do próximo ano. Por aqui, fará roteiros de três, quatro, seis e sete noites, que englobam destinos como Búzios (RJ), Ilha Grande (RJ) e Balneário Camboriú (SC).

A embarcação tem capacidade para mais de 5 mil hóspedes, distribuídos em 2.066 cabines. Segundo a MSC, o Brasil ainda é um mercado promissor e estratégico. "Mesmo com a crise, o Brasil continua sendo um dos públicos mais fortes. Se não quiséssemos investir, jamais faríamos algo assim, totalmente planejado para os brasileiros", afirma o CEO da MSC Cruzeiros, Gianni Onorato.

A cerimônia de batismo do navio, realizada no porto de Gênova, na Itália, no início de junho, contou com a presença da atriz italiana Sophia Loren, madrinha de toda a frota da MSC Cruzeiros. Estávamos lá - e aproveitamos para conferir de perto o que de melhor o navio tem a oferecer antes de chegar ao Brasil. Gastronomia refinada, entretenimento e mais destaques: confira sete coisas que você precisa saber sobre o MSC Seaview

Design e tecnologia

Foto: MSC Cruzeiros / Divulgação
Inspirado nos condomínios de praia de Miami, o design do Seaview chama atenção pela originalidade. As passarelas externas com piso de vidro fazem com que se tenha a sensação de caminhar sobre a água.

Os elevadores panorâmicos proporcionam uma vista deslumbrante, e o atrium de quatro andares conta com um painel com imensos telões, além das tradicionais escadarias com cristais Swarovski. É praticamente uma cidade, com capacidade para mais de 5 mil hóspedes, 18 deques, 2 elevadores panorâmicos e 320 metros de comprimento. Por isso mesmo, se perder é corriqueiro: para que lado é mesmo o meu quarto? Onde fica o lounge principal? Qual o restaurante mais perto? Para facilitar, a MSC desenvolveu um aplicativo que mostra o caminho mais curto para qualquer lugar do navio, permite agendar reservas nos restaurantes e até localizar as crianças. Esse último recurso, graças à pulseira amarela recebida na entrada, que serve como chave do quarto e onde são computados gastos extras

Cabines

Das 2.066 cabines do MSC Seaview, 70% têm varanda, como gosta o brasileiro. Mas há uma variedade de opções. As cabines modulares, que funcionam como quartos conjugados nos hotéis, são ideais para famílias. Há ainda as com hidromassagem na varanda. Para os passageiros do Yacht Clube, que podem usufruir de uma área exclusiva, a suíte royal tem, além da hidro, mesa de jantar e uma ampla varanda. Segundo a MSC, todas foram projetadas pensando nas necessidades e nos diferentes perfis de quem está a bordo – a nossa tinha terraço e varanda com vista para o mar. Os banheiros, no entanto, ainda são pequenos. Quem é mais alto (este repórter mede 1,83m) pode enfrentar problemas para “se encaixar” no chuveiro. As camas, por sua vez, são confortáveis e proporcionam uma excelente e profunda noite de sono, auxiliadas pelo doce balanço do mar.

Diversão e lazer

Há um verdadeiro arsenal hi-tech de entretenimento: um simulador de Fórmula 1, um cinema imersivo XD, jogos de fliperama e até um boliche. Experimentamos cada uma das atrações – o boliche foi meu favorito. A réplica da pista em tamanho real (disputadíssima, por sinal) faz com que você se esqueça que está a bordo de um navio. O simulador de Fórmula 1 também rouba a cena. Até mesmo para quem não dirige, o brinquedo proporciona momentos únicos de diversão, com campeonatos organizados entre amigos. Além disso, há outras áreas divididas por faixa etária: uma voltada a crianças de 1 a 3 anos, outra de 3 a 11 com parceria Lego e dois teens clubes, um para quem tem de 12 a 14 anos e outro de 15 a 17. Brinquedos, videogames e atividades de recreação com monitores fazem parte da diversão.

Drinques e gastronomia

Sabe aquela comida bonitinha e refinada dos realities shows de gastronomia? Ela também está a bordo. A empresa traz ao País dois chefs de peso: o espanhol Ramón Freixa e o pan-asiático Roy Yamaguchi. Freixa tem como ponto forte a comida mediterrânea (peixes e frutos do mar). Provamos suas tradicionais e deliciosas tapas espanholas no Ocean Kay, servidas com espumante francês – combinação perfeita para um dia à beira da piscina. 

Yamaguchi tem como referência a culinária do Japão e do Havaí, e nos serviu sashimi de peixe branco com creme de abacate, molho agridoce e pimenta. Quem é fã da cozinha oriental já tem lugar certo no navio, o Asian Market Kitchen. Vale lembrar que as refeições dos dois restaurantes são vendidas à parte. O pacote de três noites para degustar a comida de Yamaguchi custa R$ 224 por pessoa. Já o festival de frutos do mar de Freixa sai por R$ 137 (também por pessoa). Os valores são válidos apenas para vendas antecipadas. A bordo, o preço sofre alterações. 

Ao todo, são 11 restaurantes, seis de especialidades (pagos à parte). Se não quiser desembolsar nada a mais, há outras cinco opções, incluindo dois bufês que funcionam mais de 20 horas por dia. Carnes, peixes, frutos do mar, massas, saladas e sobremesas incrementam o menu. Muitos itens serão adaptados ao paladar nacional: pão de queijo, brigadeiro e quindim já têm presença garantida.

Referência quando o assunto é doces, a Venchi terá um Chocolate Bar, destinado apenas a bebidas (quentes e frias, com valores cobrados à parte, ainda não definidos). Provamos o instigante Bubbles and Chocolate, preparado pelo chef brasileiro Luís Vilela. A bebida mistura chococaviar (uma espécie de minigranulado de chocolate) com prosecco. As bolhas transportam o chococaviar para cima e para baixo, e o sabor é delicioso. Vilela, por sinal, é responsável por toda a parte de doces e panificação do MSC Seaview. Difícil mesmo é ter controle emocional diante de tantas gostosuras disponíveis. Ao todo, são 19 bares e lounges.

Frio na barriga

Foto: João Paulo Carvalho / Estadão Conteúdo
Foto: MSC Cruzeiros / Divulgação
Foto: MSC Cruzeiros / Divulgação

Não só de piscinas vive o entretenimento aquático do MSC Seaview. O navio conta com um parque aquático e um total de cinco tobogãs. Um deles, com 112 metros de comprimento, tem música e luzes para deixar tudo mais animado, e você pode optar entre descê-lo sozinho ou em dupla. Há ainda dois irresistíveis toboáguas transparentes, cujo visual faz qualquer um perder o medo de deslizar por eles. Dali, se tem uma das mais belas vistas da embarcação. Por falar em vista, a tirolesa em alto-mar é outra área pela qual vale a pena se aventurar. Sabe aquele friozinho na barriga que só quantidades exorbitantes de adrenalina são capazes de proporcionar? Pois bem, foi isso que senti ali. Instalada no último deque, oferece 105 metros de contemplação, do ponto mais alto do navio até a popa. Quem se arrisca na tirolesa do Seaview – a maior já vista em alto-mar – chega a passar por cima de uma das piscinas da parte externa. E o melhor: sem nenhum gasto extra.

Teatro

Com estrutura à la Broadway, o Teatro Odeon é um dos lugares mais atraentes do navio, com estrutura elegante que lembra o Teatro Colón, de Buenos Aires. Ao todo, são 934 lugares na plateia, que pode assistir a sete espetáculos diferentes: Simply The Best, Eclipse, Bizarre, Animalia, Fantasia, Ilusion e Emozioni. Quando fiquei embarcado, assisti a Fantasia, que impressionou pela versatilidade vocal e corporal dos atores.

Saídas e extras

Foto: MSC Cruzeiros / iStock

O MSC Seaview chega ao Brasil em 2 de dezembro e terá 22 saídas em solo brasileiro, com base no do Porto de Santos. Os minicruzeiros de 3 e 4 noites passarão por Porto Belo (SC), Balneário Camboriú (SC), Búzios (RJ) e Ilha Grande (RJ). Já nos roteiros de 6 e 7 noites o navio ruma ao Nordeste, com paradas em portos como Ilhabela (SP), Búzios, Rio e Ilha Grande, além de Ilhéus (BA) e Salvador (BA). Preços a partir de R$ 2.309 por pessoa em cabine dupla, mais taxas. O navio retorna à Europa em março.

Embora a maioria dos serviços do navio esteja incluído no pacote, na hora da reserva é possível optar por experiências diferentes – Bella, Fantastica, Wellness e Aurea, além do exclusivo Yacht Clube – que, na prática, liberam “mimos extras”. Algumas incluem café da manhã na cabine; outras, até open bar. Também há planos familiares e promoções, dependendo da saída, com 3º passageiro grátis, por exemplo. Avalie qual pode ser mais vantajoso. Além disso, dá para comprar com antecedência pacotes de bebidas e internet, com opções para conectar vários aparelhos ao mesmo tempo. No spa, a academia está incluída, mas há extras como serviços de cabeleireiro e manicure ou tratamentos como a vinoterapia.

Veja também:

 

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade