1 evento ao vivo

São Paulo registra mais de 86 mil casos de coronavírus

O número de mortes no Estado subiu para 6.423 nesta terça-feira, 26, e a taxa de ocupação de leitos de UTI já chega a 87,7% na capital

26 mai 2020
17h52
atualizado às 17h59
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
O Estado de São Paulo já registra 6.423 mortes pelo novo coronavírus, um aumento de 203 óbitos em 24h. O balanço divulgado na tarde desta terça-feira, 26, também mostra que o número de infectados chegou a 86.017, o que representa 2.392 a mais do que no dia anterior.

A taxa de ocupação de leitos de UTI subiu para 74,5% no Estado e 87,7% na capital. Há 12,2 mil pacientes internados em São Paulo, sendo 4.779 em UTI e 7.506 em enfermaria. Até o momento já ocorreram 17.589 altas de pacientes que tiveram confirmação de covid-19 e foram assistidos em hospitais no Estado.

A segunda-feira marcou o fim do feriado prolongado na capital paulista, que durou seis dias. O objetivo do governo era manter o índice de isolamento social acima de 55%, mas essa taxa só foi alcançada no domingo, quando 57% dos paulistanos permaneceram em casa. Na segunda, o isolamento foi de 53% em São Paulo e 51% no Estado.

A média do índice de isolamento social na capital durante o feriado foi de 52,5%. No Estado, a média foi de 50,5%. Técnicos da área da saúde do governo afirmam que é necessário manter as taxas mais altas para diminuir a velocidade de transmissão do vírus evitar o colapso no sistema de saúde.

Pacientes com o novo coronavírus recebem tratamento em um ginásio transformado em hospital em Santo André, SP, Brasil 06/05/2020. REUTERS/Amanda Perobelli
Pacientes com o novo coronavírus recebem tratamento em um ginásio transformado em hospital em Santo André, SP, Brasil 06/05/2020. REUTERS/Amanda Perobelli
Foto: Reuters

Na quarta-feira, o governo deve anunciar a prorrogação da quarentena em algumas partes do Estado e a flexibilização das medidas de isolamento em outras regiões. A informação foi antecipada pela GloboNews. Em entrevista à emissora, Doria descartou a adoção de lockdown.

O plano, chamado de "quarentena inteligente", deve permitir a flexibilização em municípios com taxa de isolamento de pelo menos 55%, redução no número de novos casos por 14 dias seguidos e ocupação dos leitos de UTI inferior a 60%.

 

Veja também:

De andador, veterano de guerra de 99 anos arrecada milhões para saúde pública britânica
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade