PUBLICIDADE

Entenda como é feita uma cirurgia robótica no Brasil 

Cirurgias convencionais ou cirurgias robóticas? Confira as principais diferenças entre os dois tipos de procedimentos

6 mai 2023 - 06h25
Compartilhar
Exibir comentários
Robô Rosa Knee System em procedimento cirúrgico
Robô Rosa Knee System em procedimento cirúrgico
Foto: Divulgação

À medida que a tecnologia segue atrelada às atualizações e aprimoramentos constantes da área da saúde, novas técnicas e soluções têm contribuído exponencialmente para a melhora da qualidade de vida e bem-estar da população brasileira. 

No âmbito dos procedimentos cirúrgicos, por exemplo, o advento da robótica tem permitido ganhos cada vez mais evidentes, tanto aos pacientes que necessitam passar pelas cirurgias, quanto às equipes médicas, que contam com tais inovações para ampliar o índice de sucesso e otimização do tempo dedicado a essas atividades.  

No entanto, muitas pessoas ainda têm dúvidas de como seriam realizados esses procedimentos assistidos por robôs. Afinal, essas máquinas operam sozinhas? Por que são importantes? Quais as principais diferenças entre as cirurgias tradicionais e as robóticas?  

Procedimento com uma plataforma robótica

Conforme apontam diferentes especialistas, o apoio das plataformas robóticas para a realização de procedimentos como as artroplastias de joelho – uma solução aos pacientes que sofrem de artrose severa e necessitam de intervenção para substituir a articulação do joelho por próteses ortopédicas ―, tem permitido uma nítida evolução no que diz respeito à precisão e eficiência dessas cirurgias, que passaram a ser feitas de maneira muito mais personalizada, de acordo com a anatomia única de cada paciente. 

Segundo Mauro Meyer, médico ortopedista especialista em cirurgia do joelho no Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre-RS, embora as próteses de joelho tenham ótimos resultados, a maior dificuldade nas cirurgias convencionais é conseguir o alinhamento exato dos componentes durante o procedimento, uma barreira que foi superada com o auxílio do robô. 

 “Antes o médico faz uma série de cálculos, por exemplo, dos movimentos de rotação do quadril, joelho, tornozelo. O robô soma e cruza esses dados com os dos exames de imagens e analisa como estão ligamentos, tendões, musculatura. Com a precisão do sistema robótico, temos tido tempos menores de internação, o paciente faz a movimentação do joelho com mais facilidade e isso causa menos dor no pós-operatório, menos uso de analgesia, maior conforto para que o paciente possa ir para casa mais rápido e maior longevidade dessa prótese”, comenta.  

Os benefícios trazidos pela precisão robótica

Benefícios e experiências positivas que também são compartilhadas por Afonso Paulo Almeida Magalhães Neto, médico ortopedista e traumatologista, especialista em cirurgia do joelho e ombro nos Hospitais Orizonti e São Lucas, em Belo Horizonte-MG.     

“O grande benefício da robótica é a precisão, previsibilidade, segurança, respeito às partes moles e cirurgias extremamente personalizadas para o melhor resultado ao paciente, tudo isso sem tirar a autonomia do médico. Já realizei mais de 200 cirurgias com o apoio da robótica desde maio de 2022 e posso dizer, com segurança, que foi a maior evolução nas artroplastias de joelho dos últimos vinte anos”, pontua. 

Robô Rosa Knee System
Robô Rosa Knee System
Foto: Divulgação

De acordo com Marco Demange, médico ortopedista especialista em cirurgia do joelho e professor livre-docente da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), essa precisão, inclusive, é um dos fatores cruciais para o sucesso desses procedimentos. 

“A cirurgia colaborativa permite captar informações antes da cirurgia, por meio de exames de imagem especiais como a X-Atlas, uma radiografia panorâmica com esferas metálicas que permitem calcular o tamanho dos componentes da cirurgia, entre eles, a inclinação e o alinhamento das próteses à anatomia óssea, para que o planejamento prévio seja feito em um software exclusivo. Durante a cirurgia, o médico pode captar novamente todos os dados do formato do joelho, especialmente para fazer ajustes finos, de maneira que o sistema robótico colaborativo permita a remoção das saliências ósseas para maior precisão, de forma personalizada para cada paciente”, destaca o profissional. 

O sucesso do robô Rosa Knee System

Os atributos e o sucesso das cirurgias citados pelos profissionais, devem-se muito a tecnologias como o robô Rosa Knee System, por exemplo, desenvolvido pela multinacional em saúde musculoesquelética, Zimmer Biomet, que já atingiu o marco de 1.500 cirurgias realizadas no Brasil, em um curto espaço de dois anos.  

Composto por uma tecnologia que integra braços robóticos a softwares avançados, que realizam o planejamento pré-operatório em 3D e fornecem dados intraoperatórios, em tempo real, sobre tecidos moles e anatomia óssea do paciente, o Rosa foi projetado para facilitar a precisão do corte ósseo e a análise de amplitude de movimento no ato cirúrgico. 

Centrada no cirurgião, trata-se de uma tecnologia que contribui, principalmente, para que as cirurgias aconteçam de forma personalizada, com a colocação otimizada das próteses ortopédicas, de acordo com a anatomia única de cada paciente.  

Atualmente, a plataforma já está disponível em 18 hospitais, de 8 estados e 10 diferentes cidades do país, em localidades como São Paulo (capital e S.J. do Rio Preto), Rio de Janeiro (capital), Bahia (Salvador), Pernambuco (Recife), Minas Gerais (Belo Horizonte), Paraná (Curitiba e Londrina, a primeira cidade não capital a receber a tecnologia), Distrito Federal (Brasília) e Rio Grande do Sul (Porto Alegre). 

(*) HOMEWORK inspira transformação no mundo do trabalho, nos negócios, na sociedade. É criação da COMPASSO, agência de conteúdo e conexão.

Homework Homework
Compartilhar
Publicidade
Publicidade