3 eventos ao vivo

Doria critica Saúde e lamenta vazamento de dados

Governador ainda afirmou que nenhuma explicação sobre o caso foi dada ao governo

26 nov 2020
17h02
atualizado às 17h08
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), lamentou nesta quinta-feira, 26, o vazamento de dados pessoais de ao menos 16 milhões de brasileiros que tiveram diagnóstico suspeito ou confirmado de covid-19. O tucano ressaltou a "ineficiência" do Ministério da Saúde.

"Tive notícias sobre o vazamento de dados. É lamentável, além de todo o grau de ineficiência que o Ministério da Saúde tem apresentado, ainda mais em uma circunstância como essa, acrescentando mais um fator negativo, o vazamento de dados de 16 milhões de pessoas", disse Doria durante coletiva de imprensa nesta quinta-feira, 26.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes
O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes
Foto: Divulgação / Governo do Estado de SP / Estadão Conteúdo

Doria ainda afirmou que nenhuma explicação sobre o caso foi dada ao governo. "Nós não recebemos nenhuma justificativa, telefonema, email ou Whatsapp, nenhuma informação do Ministério da Saúde", reclama.

A exposição de dados aconteceu após um funcionário do Hospital Albert Einstein divulgar uma lista com usuários e senhas que davam acesso aos bancos de dados de pessoas testadas, diagnosticadas e internadas por covid nos 27 Estados. Entre as pessoas que tiveram a privacidade violada está o próprio governador, o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, entre outras autoridades.

Após serem comunicados sobre o vazamento pelo Estadão, o Hospital Albert Einstein e o Ministério da Saúde disseram que as chaves de acesso foram removidas da internet e trocadas nos sistemas. Além disso, será aberta uma investigação interna pelo Einstein para apurar as responsabilidades.

Veja também:

Influencers falam sobre doenças crônicas nas redes
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade