PUBLICIDADE

Jovem com anorexia nervosa consegue internação no HC em SP

Aos 34 anos, Aline Alves chegou a pesar 24 Kg e família enfrentava dificuldades para conseguir tratamento para a ex-gerente de restaurante

26 out 2013 18h40
| atualizado às 18h40
ver comentários
Publicidade

Depois que a família da ex-gerente de restaurante Aline Alves da Silveira Souza, moradora de Bauru, no interior de São Paulo, buscou ajuda publicamente para conseguir tratamento para anorexia nervosa, a mulher de 34 anos que que chegou a pesar 24 quilos, conseguiu uma vaga no Hospital das Clínicas (HC), em São Paulo.

Ligado à Universidade de São Paulo (USP) o hospital mantém um ambulatório para tratamento de pacientes com bulimia e transtornos alimentares. O caso divulgado pelo portal Terra chamou a atenção de todo o Brasil para o problema enfrentado pela jovem e também foi destaque do programa Mais Você, da Rede Globo, que entrevistou o médico Fábio Salzano do HC-SP sobre o distúrbio alimentar.

Jaqueline Meirelles Passinato, prima de Aline, assistia ao programa e entrou em contato o médico para buscar ajuda. Após contar a situação da ex-gerente, conseguiu com que Aline fosse avaliada por uma equipe do Hospital das Clínicas que comprovou a necessidade de tratamento. Segundo Jaqueline, profissionais do HC-SP estiveram na Santa Casa de Piratininga, município vizinho a Bauru onde Aline estava internada, para examiná-la. 

“Foi necessário levantar toda a papelada que eles pediram e pelo caso da Aline ser bastante grave os trâmites foram acelerados para que ela pudesse ser internada”, explica Jaqueline. Ela conta que nem Aline nem a família foram informados dos resultados dos exames feitos pela equipe do HC. “De acordo com eles, os pacientes que desenvolvem esse tipo de distúrbio não podem ser informados sobre o ganho de peso. Isso pode fazer com que eles queiram abandonar o tratamento por voltar a se sentir gordos”, explica.

Aline Costa e a mãe, Terezinha Alves da Silveira Costa, saíram da Santa de Casa de Piratininga na madrugada da última sexta-feira e chegaram a São Paulo no HC no final da manhã. De acordo com a mãe, assim que as duas chegaram ao hospital, Aline seguiu pela emergência e foi encaminhada para a internação.

“Estou muito feliz porque a luta não foi em vão. Após nosso apelo por ajuda conseguimos uma clinica para a internação dela”, explicou. Aline seguirá até terça-feira sendo assistida por médicos residentes e pela equipe do HC. “Não sei se será o doutor Fábio Salzano quem vai tratar dela ainda, todos eles estão em um congresso e ela só vai conhecer o médico que seguirá no atendimento na terça”, contou por telefone.

Terezinha faz questão de agradecer a médica psiquiatra que socorreu Aline em um momento considerado pela mãe como o “pior”. Na ocasião Aline chegou a pesar 24 quilos e estava à beira da morte. Ela agradeceu ainda a Santa Casa de Piratininga (SP) que por mais de 15 dias manteve a filha em tratamento e providenciou o transporte até a capital. “Nossa família é muito grata a doutora Vanessa que socorreu a Aline e nada cobrou pelo atendimento e ainda todos de Piratininga, fizemos grandes amigos lá”, disse.

No HC Aline será privada do contato com notebook e celular, além disso apenas a filha, a mãe e os parentes mais próximos têm autorização para visitá-la. Terezinha explica que a dificuldade agora será financeira para acompanhar o tratamento da filha. Ela já foi informada que as reuniões com os médicos serão constantes e ela terá que se deslocar todas a vezes de Bauru até São Paulo. “Vai ser difícil arrumar um emprego que permita tantas ausências e já usei boa parte das minhas economias desde que cheguei a Bauru”, conta. Terezinha Costa mora em Petrópolis (RJ), mas abandonou tudo para ficar ao lado da filha.

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade