3 eventos ao vivo

Descubra por que ereção prolongada pode ser prejudicial

18 dez 2009
09h05

Não deve existir um homem sequer que não se preocupe em conseguir uma ereção. Afinal, nada é pior do que broxar na hora H. Sim, este é um dos maiores pesadelos masculinos. Mas muitos não sabem que o contrário, e em excesso, pode ser um problemão e tanto. A dificuldade de controlar uma ereção, que pode ocorrer de forma indesejada e durar muito mais que o esperado, tem um nome e é uma doença. Trata-se do priapismo.



» Siga o Terra no Twitter
» vc repórter: mande fotos
e notícias

» Chat: tecle sobre o assunto

O problema é caracterizado por uma ereção que dura mais de quatro horas, não é despertada pelo desejo sexual, mas por disfunções orgânicas. Causa dores e alguns outros inconvenientes fáceis de imaginar. Ao notar o problema, que atinge de um a três homens em cada 100 mil, o ideal é buscar um médico o quanto antes, para evitar que a situação se agrave, podendo causar até impotência. O nome da doença é inspirado no deus grego Príapo, filho de Afrodite, conhecido pelo seu falo longo e ereto. Quer saber mais? O urologista André Cavalcanti respondeu a 10 questões sobre a doença.

1) Quais são as causas do problema, existe alguma situação em que a doença se manifesta mais comumente (como não voltar à flacidez depois do orgasmo) ou ela vem de repente, sem nada que a estimule?
O problema pode ser ocasionado por doenças hematológicas, como a anemia falciforme e a leucemia, que dificultam a drenagem do sangue. O uso de medicamentos antidepressivos, de drogas como cocaína e o álcool, de injeções para estimular a ereção - vasodilatadores utilizados no tratamento da disfunção erétil, como a prostaglandina - ou até mesmo um trauma sobre o pênis também podem provocar a ereção prolongada e indesejada que caracteriza o mal. Em alguns casos, no entanto, o priapismo pode aparecer sem que se consiga apontar uma causa que o justifique.

2) Como é o tratamento? Tem cura?
O tratamento mais comum é aplicar injeções de medicamentos específicos no pênis, para provocar o fechamento dos vasos sanguíneos. Também fazemos drenagem e lavagem do corpo cavernoso - tecido erétil do pênis, tentando restabelecer a condição de flacidez. Em último caso, recorremos à cirurgia. A cura é perfeitamente possível.

3) A ereção prolongada pode acontecer uma única vez ou é um problema recorrente?
Não costuma ser recorrente, pode acontecer esporadicamente. De qualquer forma, é fundamental contar com acompanhamento médico tão logo seja detectado o sintoma.

4) O uso de medicamentos para disfunção erétil ¿ como o Viagra -, sem prescrição médica, pode levar ao priapismo?
As descrições na literatura são mínimas, e o risco, muito baixo. A associação de vários medicamentos diferentes tem mais relação com o aparecimento do problema.

5) Qual a incidência do problema? Ele acomete jovens também?
Sim. O mal afeta homens de todas as idades. A prevalência, entre a população masculina brasileira, é de um a três casos em cada 100 mil homens.

6) O priapismo pode levar à impotência?
Sim. Sem o tratamento adequado, o mal pode evoluir para uma fibrose do tecido erétil. Daí a importância de procurar um médico o mais rápido possível.

7) O problema pode desencadear doenças mais graves, além da impotência?
Não. Mas pode ser o primeiro sinal de uma doença hematológica, como a anemia falciforme ou a leucemia.

8) É hereditário ou transmissível?
Não.

9) Existe diferença física entre uma ereção normal e a do priapismo? É possível aproveitar a ereção para manter a atividade sexual por várias horas seguidas?
O priapismo não está associado a uma rigidez da glande. Normalmente, é apenas o corpo cavernoso que fica ereto. Por isso, é possível que se note uma pequena diferença na aparência do pênis. O problema também costuma provocar muita dor e, nessa situação, é impossível ter uma relação sexual.

10) Durante quanto tempo o problema pode persistir?
O quadro pode perdurar por vários dias, mas o ideal é que o atendimento médico seja imediato. Se a ereção se mantiver por mais de seis horas, já é sinal de que a intervenção clínica é necessária.
Fonte: Especial para Terra

compartilhe

publicidade
publicidade