0

Cuidador é ocupação que mais cresce no País na década

Pesquisa mostra que número de profissionais passou de 5.263 em 2007 para 34.051 em 2017, alta de 547%

4 nov 2018
06h11
atualizado às 18h58
  • separator
  • comentários

SÃO PAULO -Desde que se formou no ensino médio, Sheldon Patrick dos Santos, de 28 anos, sempre trabalhou com vendas ou eventos. Há um ano, insatisfeito com o tipo de trabalho que desempenhava e com a remuneração, decidiu mudar o rumo da carreira. Matriculou-se em um curso de cuidador de idosos e se apaixonou pela área. "Sempre gostei de trabalhar com idosos e vi que essa profissão estava em alta", conta. A aposta deu certo. Santos já saiu do curso empregado. Foi contratado por uma casa de repouso da zona sul da capital paulista.

Pesquisa mostra que número de profissionais passou de 5.263 em 2007 para 34.051 em 2017, alta de 547%
Pesquisa mostra que número de profissionais passou de 5.263 em 2007 para 34.051 em 2017, alta de 547%
Foto: iStock

A história do jovem vem se tornando cada vez mais comum no País. Com o envelhecimento da população brasileira em ritmo acelerado, a ocupação de cuidador de idoso foi a que mais cresceu no País na última década entre 2,6 mil profissões pesquisadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

O balanço, feito pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), com base em dados do ministério, mostra que o número de profissionais do tipo passou de 5.263 em 2007 para 34.051 em 2017, alta de 547%.

"Mesmo com o desempenho ruim da economia nos últimos anos, essa ocupação cresce porque há cada vez mais idosos no País e porque é um serviço de saúde, os últimos a serem cortados em cenário de crise. As famílias sacrificam outro tipo de consumo, mas mantêm os cuidados com a saúde", explica Fabio Bentes, economista-chefe do CNC. "Os dados do MTE não consideram trabalhadores informais, somente os com registro em carteira ou estatutários. Mas deve ter muita gente atuando nessa área na informalidade", opina o especialista.

Crescimento do setor de cuidadores esbarra na falta de regulamentação

O crescimento e a formalização desse mercado esbarram na falta de regulamentação e na ainda escassa capacitação adequada dos profissionais. Como a ocupação ainda não foi regulamentada como uma profissão, não há regras claras sobre a formação mínima que deveria ser exigida nem qual seria o conteúdo obrigatório dos cursos.

Um projeto de lei tramita na Câmara para criar e regulamentar a profissão de cuidador não só de idosos, mas de crianças e de pessoas com deficiência ou doença rara. Ele aguarda designação do relator. Há também um projeto de lei do Senado para determinar as atribuições de quem desempenha essa função.

Sem a regulamentação, as atribuições e o perfil de quem desempenha essa tarefa estão descritos apenas na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO). A orientação é de que devem ser contratados maiores de idade, que fizeram cursos livres entre 80 e 160 horas e que demonstrem empatia e paciência. Entre as atribuições estão ajudar nas atividades diárias, observar o comportamento e estimular a independência.

"O cuidador deve ficar atento à alimentação e ao risco de queda e tem de saber lidar com situações da vida de um idoso, que pode estar confuso, ter dificuldade para caminhar. Ele não deve infantilizar o idoso. Pode ajudá-lo a se vestir, mas não assumir a função", diz Carlos André Uehara, presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia.

Veja também:

 

Estadão Conteúdo

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade