PUBLICIDADE

É possível perder peso durante a pandemia e manter a saúde?

Dificuldade para praticar atividades físicas aumenta a importância de hábitos saudáveis e de ter uma boa alimentação na pandemia

25 mar 2021 16h14
ver comentários
Publicidade
Pandemia permite perder peso sem colocar a saúde em risco?
Pandemia permite perder peso sem colocar a saúde em risco?
Foto: Shutterstock / Sport Life

A pandemia de coronavírus serviu como 'pontapé inicial' para muitos que desejavam perder peso. Com o isolamento social, a maioria das pessoas começou a ficar mais em casa e a fazer home office, tendo a oportunidade de se alimentar melhor e de prestar mais atenção no que se come.

"Além dos que já pretendiam emagrecer antes mesmo da pandemia, houve um aumento expressivo dos que buscam eliminar alguns quilos para se proteger da doença. Isso porque pesquisas comprovam que o sobrepeso e a obesidade aumentam exponencialmente o risco de complicações no caso de infecção por Covid-19", comenta a nutricionista Sophie Deram, doutora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

O relatório "Covid-19 e a obesidade: O Atlas 2021", divulgado recentemente pela Federação Mundial de Obesidade, indica que a taxa de mortalidade por coronavírus é aproximadamente 10 vezes maior em países onde metade ou mais da população está acima do peso. Outro estudo, divulgado pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, aponta que o risco de ser hospitalizado é 7% maior para adultos com obesidade grau I (IMC entre 30 e 34,9) e salta para 33% maior para pacientes com obesidade grau IV (IMC acima de 45), em comparação com pessoas com peso corporal considerado saudável (IMC entre 18,5 e 24,9).

A probabilidade de intubação também é bem mais alta para os obesos, de acordo com a pesquisa. O risco aumenta em 12% entre os adultos com sobrepeso (IMC de 25 a 29,2) e sobe para impressionantes 108% entre os obesos (IMC a partir de 45).

Dietas restritivas na pandemia

Diante dos números alarmantes em relação aos riscos aumentados para o coronavírus em decorrência da obesidade, muitos aderem às dietas restritivas, na tentativa de perder peso rapidamente. Porém, essa não é a melhor estratégia, mesmo em tempos 'normais', e torna-se ainda mais arriscado em meio à pandemia.

"As pessoas buscam dietas 'milagrosas', acreditando que isso fará bem à saúde, mas não é bem assim. Dietas restritivas causam estresse e, neste momento que estamos vivendo, afetam ainda mais a saúde mental das pessoas. Se você quer perder peso e, principalmente, emagrecer de maneira saudável e sustentável, a resposta não são as dietas, e sim um estilo de vida saudável", opina a especialista.

Mesmo sem pandemia, o método defendido por Sophie vai contra as dietas radicais e a diminuição drástica da quantidade e dos tipos de alimentos ingeridos. "É preciso estabelecer, desde cedo, uma boa relação com a comida, respeitando a própria fome e deixando de lado os sentimentos negativos. Quando comemos com culpa, tendemos a consumir alimentos em excesso, mas quando comemos com prazer, ficamos satisfeitos e sabemos respeitar nosso corpo", avalia a PHD em Nutrição.

Na visão de Sophie, as dietas restritivas são uma "armadilha", pois a privação nutricional afeta negativamente o organismo e desperta desejo ainda maior por comida. "As restrições em excesso na hora de comer podem tornar-se um "gatilho" para um distúrbio alimentar, pois geram um ciclo vicioso difícil de ser quebrado", diz.

Ansiedade é a principal 'vilã'

Para a nutricionista, a grande "inimiga" do emagrecimento e da manutenção do peso ideal é a ansiedade, que tende a se agravar devido ao isolamento social. "Nos momentos de maior ansiedade, é importante olhar para si mesmo, analisar a origem da fome e tentar descobrir se ela é mesmo real ou emocional. Sentir-se ansioso em geral faz com que as pessoas comam mais, e de forma pouco consciente", alerta.

"O tédio e a ansiedade podem levar as pessoas a comer mais do que necessitam, e depois elas passam a fazer dietas, na tentativa de perder o peso que acumularam. Ou seja, a ansiedade é o gatilho inicial do ganho de peso, por isso, deve ser combatida", ressalta.

Alimentos x imunidade

Outra tendência em meio ao isolamento social é a busca por "superalimentos", que supostamente aumentariam a imunidade e ajudariam a prevenir a contaminação pela Covid-19. Mas será que existe mesmo um alimento com essa capacidade?

Na visão de Sophie, a resposta é não. "Não existe fórmula mágica, infelizmente. Nenhum alimento é capaz de aumentar a nossa imunidade 'do dia para a noite', e defender esse tipo de conceito não tem embasamento científico e é irresponsável", diz.

Ela explica que existem muitos 'mitos' em relação ao uso das vitaminas C e D e outros suplementos no combate à infecção pela Covid-19. " A vitamina C pode ajudar, mas não é a única responsável por nos defender contra o novo coronavírus. A imunidade é muito mais complexa do que só tomar suplementos e frutas cítricas. A melhor coisa que podemos fazer pela saúde é consumir comida caseira e fresca", afirma.

O mesmo vale para a vitamina D e demais suplementos. "Não há evidências científicas que comprovem que o reforço da imunidade e imunomodulação usando vitamina D são as únicas maneiras de prevenir a infecção pelo coronavírus. Além disso, ninguém vai aumentar sua imunidade de forma imediata tomando suplementos. A superdosagem é tão prejudicial quanto não ter o suficiente. Qualquer suplementação deve ter acompanhamento de um profissional", elucida.

Sport Life
Publicidade
Publicidade