PUBLICIDADE

Aparelho ortodôntico: quando é necessário?

O Dr. Paulo Zahr, cirurgião-dentista, fala em quais casos o aparelho é recomendado e os cuidados após a manutenção

13 jul 2021 12h11
ver comentários
Publicidade
Segundo o cirurgião-dentista existem diversos tipos de aparelhos ortodônticos
Segundo o cirurgião-dentista existem diversos tipos de aparelhos ortodônticos
Foto: Shutterstock / Saúde em Dia

Dificilmente a pessoa não precisa usar aparelho ortodôntico para corrigir o posicionamento dos dentes, e nesse processo é comum sentir algum desconforto. Para aliviar as dores, o Dr. Paulo Zahr, cirurgião-dentista da OdontoCompany, esclareceu algumas dúvidas sobre quando é indicado o uso do aparelho.

Dentes tortos: um dos sinais mais intuitivos e difundidos de que alguém pode precisar do tratamento com aparelhos ortodônticos é, sem dúvidas, a presença de dentes tortos. No entanto, nem sempre pessoas com dentes desalinhados necessitam desse tipo de intervenção, precisando ser avaliado caso a caso.

Dentes separados: a presença de dentes afastados uns dos outros também pode ser um indicativo. Muitas vezes, essa separação progressiva pode fazer com que os dentes localizados mais ao fundo (ou na frente, dependendo de onde ocorre o afastamento) se apinhem, gerando problemas graves para a mordida e consequências negativas para a saúde.

Mordida inadequada: algumas vezes, alterações na estrutura mandibular podem fazer com que o ato de morder seja prejudicado. A longo prazo, isso gera uma série de efeitos negativos, como dores de cabeça, por exemplo.

Dores na mandíbula: as dores na mandíbula podem ter muitas causas, entre elas os distúrbios da articulação temporomandibular (ATM) e, claro, problemas com dentes desalinhados ou mordidas inadequadas. Embora muitas vezes a cirurgia ortognática seja recomendada para solucionar tais ocorrências, em outras o uso de aparelhos ortodônticos é o suficiente para acabar com as dores.

Dificuldade para falar: menos comum, mas que também pode ser causado por desalinhamento dentário, é a dificuldade para falar. Os seres humanos articulam as palavras por meio da utilização de diversas estruturas, entre elas a língua e, claro, os dentes.

Dores de cabeça: dentes desalinhados também podem causar dores de cabeça. Portanto, se você sofre com desconfortos na região que não parecem ter qualquer outra origem e não costumam passar com o uso de analgésicos, pode ser que você precise utilizar um aparelho ortodôntico.

Dores no ouvido: outro problema que ocorre com o desalinhamento dos dentes e que pode ocorrer sem que exista uma causa muito definida é a dor de ouvido. Por serem estruturas muito próximas ao maxilar, os ouvidos também sofrem interferência de problemas nessa região. Zumbidos e sons frequentes também são outros sintomas comuns, que podem ou não estar acompanhados de dor.

Estes são alguns exemplos, mas vale ressaltar que apenas um dentista especializado em ortodontia poderá definir se realmente precisamos ou não utilizar um aparelho ortodôntico para corrigir eventuais problemas bucais. 

Além disso, segundo o Dr. Paulo Zahr, há diversos tipos de aparelhos ortodônticos desde modelos fixos aos removíveis, com ou sem bráquetes metálicos e transparentes, cada um possui uma finalidade específica. Vale lembrar que a escolha do tipo de aparelho mais indicado deve ser realizada de acordo com um diagnóstico detalhado do cirurgião dentista e respeitando as necessidades do paciente. 

Quais as diferenças entre eles? 

Fixo convencional: é o aparelho metálico, com arcos, fios e bráquetes.

Autoligável: também é metálico, mas o fio ortodôntico se liga diretamente ao bráquete, assim é mais discreto, pois dispensa as borrachinhas. Tem a vantagem de alinhar os dentes mais rapidamente no início do tratamento. Do meio para o final, funciona como o modelo convencional.

Estético: tem a mesma estrutura do convencional, mas seus componentes são transparentes, feitos de safira ou porcelana.

Lingual: funciona como o fixo convencional, porém não aparece, pois é instalado na face interna dos dentes.

Alinhador transparente: dispositivo produzido por meio de um software, que se encaixa perfeitamente à arcada do paciente. Não aparece no sorriso e é removível.

Aparelho móvel: também conhecido como contenção ou contenção ortodôntica móvel, é uma estratégia muito utilizada quando o paciente está finalizando o tratamento ortodôntico. Depois de longos meses de tratamento com o aparelho fixo, chega a hora de utilizar esse acessório para garantir os resultados alcançados.

Expansor palatino: o expansor palatino é um tipo de aparelho pouco conhecido pela maioria das pessoas. Ele é utilizado para corrigir a mordida do paciente ou aumentar o tamanho do céu da boca. Ainda, é mais indicado para crianças, mas pode ser usado também por adultos, com a ressalva de que talvez seja necessária uma intervenção cirúrgica.

Aparelho extrabucal: é menos discreto do que a grande maioria dos outros modelos. A questão estética é um dos principais inviabilizadores do uso desse modelo, entretanto, seu uso é muito importante e pode evitar a necessidade de procedimentos cirúrgicos ou extrações de dentes. Muito utilizados em pacientes que estão em fase de crescimento, pois há facilidade em se moldar o crescimento ósseo, principalmente nas fases iniciais da infância. 

Após colocar o aparelho ou fazer a manutenção existem recomendações para evitar qualquer desconforto que cause dor, mau hálito ou quebra do aparelho. 

Evite alimentos duros: a pressão que o aparelho exerce na boca para corrigir os dentes faz com que a região fique dolorida depois da manutenção, por isso, evite alimentos que sejam duros e exijam uma boa mastigação. A dica é consumir produtos mais líquidos e macios, como por exemplo, iogurte, purê e sopa.

Aplique gelo no local: outra dica valiosa para diminuir a dor é colocar compressas de gelo na boca. A temperatura fria serve como uma anestesia e consegue combater possíveis inflamações de maneira rápida. Para isso, você pode envolver uma pedra de gelo em um pano e colocá-lo na região que mais incomoda.

Utilize cera dental: cera é usada no consultório com diversas finalidades, uma vez que consegue isolar uma parte do aparelho da boca e gengivas. Para evitar que o desconforto se prolongue, você pode recorrer ao material, que deve ser indicado por seu dentista.

Escove os dentes suavemente: no dia a dia, a escovação é um importante hábito para manter a saúde bucal e impedir a formação de placas bacterianas, e não seria diferente após a manutenção do seu aparelho. Para sentir menos dor na região, escove os dentes suavemente, massageando o local com uma escova de cerdas macias indicada por um profissional.

Use pomadas anestésicas: por definição, anestesia é o estado a que se chega quando há ausência de dor em um processo curativo. Então, nada melhor do que usar pomadas com essa propriedade para se sentir melhor no tratamento dental. Peça indicação de um produto confiável ao dentista e o aplique na área comprometida da cavidade bucal.

Utilize infusões com camomila: o chá dessa florzinha diminui a dor provocada pela pressão do aparelho ortodôntico na boca e acalma, de forma natural, a gengiva inflamada.

Faça bochechos com bicarbonato no decorrer do dia: geralmente encontrado como pó fino, o bicarbonato de sódio é um composto químico de sal e íons. Para ajudar no tratamento dentário, misture uma colher do produto em uma xícara com água. Faça bochechos com a solução algumas vezes ao dia e veja a inflamação oral diminuir, uma vez que o composto cura lesões na cavidade. 

Vale ressaltar que antes de qualquer escolha o ortodontista deve avaliar o paciente com suas principais queixas e, claro, isso incluir também o estilo de vida daquele indivíduo. Logo após, é solicitado uma série de exames, entre eles, radiografias panorâmicas e, por vezes, tomografias e até mesmo ressonâncias para entender as necessidades daquela pessoa. A partir dos resultados, o profissional determinará qual é o tipo de aparelho ortodôntico.

Consultoria: Dr. Paulo Zahr, cirurgião-dentista, fundador e presidente da OdontoCompany

Saúde em Dia
Publicidade
Publicidade