0

Equilíbrio emocional: dicas para cuidar da sua saúde mental

Encontre a paz interior e se liberte dos problemas que afundam sua autoestima e te adoecem!

17 nov 2020
13h57
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Apesar de não existir um guia definitivo para manter os cuidados com a saúde psíquica, alguns pontos importantes, tanto em relação ao físico quanto ao mental, podem ser trabalhados diariamente a fim de conquistar - mesmo que pouco a pouco - mais equilíbrio emocional -, principalmente em tempos de pandemia, quarentena e isolamento social!

Se, ao iniciar o dia, você já sente alguma carga como tristeza, angústia, ansiedade ou qualquer outra emoção que possa estar atrapalhando sua rotina, ao invés de se sentir leve e com paz interior em um panorama geral, é porque chegou a hora de começar a cuidar mais do seu bem-estar mental. Pedir ajuda é um ato corajoso e não deve ser motivo nenhum de vergonha, pelo contrário.

"Imagine que está vivendo amarrada por vários fatores negativos. Logo, você se vê sem saída e esses sentimentos poderão te deixar ainda mais sobrecarregada, fazendo com que sua positividade não trabalhe de forma com que retire do seu pensamento todas as coisas ruins existentes", explica a psicóloga clínica e psicoterapeuta Mônica Raouf el Bayeh.

Equilíbrio emocional para encontrar a felicidade

Embora um dia seja diferente do outro e as emoções que eles carregam consigo também, estar bem com você mesma é importante. A felicidade é algo que transparece de dentro para fora e, por isso, o equilíbrio emocional é uma prática feita da mesma maneira. Diariamente, um passo de cada vez.

Apesar de ser essencial, não adianta estar cercada de pessoas positivas se o seu interior não estiver bem: "Nossa felicidade é formada pelas coisas que fazemos e também que fazem por nós. Precisamos desse sentimento para viver melhor, por isso, é aconselhado fazer uma varredura na alma e retirar as emoções ruins existentes no seu psicológico. Os benefícios são inúmeros", acrescenta a profissional.

Benefícios de um detox emocional

O acúmulo de negatividade pode influenciar até mesmo na sua saúde física. É mais ou menos como ocorre na dieta alimentar. Se você elimina do cardápio alimentos ricos em gorduras, calorias vazias, açúcares e outros componentes prejudiciais, e passa a ingerir preparações naturais ricas em nutrientes capazes de beneficiar todo o organismo, inicia-se um processo de desintoxicação de radicais livres, que são substâncias nocivas responsáveis pelo envelhecimento celular.

"A insatisfação, causada por desejos variados e principalmente pela inevitabilidade da doença, do envelhecimento e da morte, por exemplo, acaba por desencadear e manter um quadro crônico de estresse, que pode causar variados distúrbios funcionais (como alterações de sono, humor, prejuízos de desempenho cognitivo e de função imunitária e elevação mantida da pressão arterial), comprometendo de maneira cumulativa a saúde do indivíduo", esclarece o neurologista Fabio Sawada Shiba.

A potencialização dos efeitos de uma reeducação alimentar, prevenção de distúrbios como depressão, ansiedade e síndrome do pânico, favorecimento da vida profissional e relacionamentos pessoais, além de todo o fortalecimento da saúde, são os benefícios comprovados do processo de desintoxicação emocional.

Por onde começar

O primeiro passo para dar início ao seu equilíbrio emocional é querer se conhecer. "Descobrir de onde elas vêm. Essas emoções são novas ou antigas? São lembranças de alguém? De alguma situação? A quem estão ligadas? Quando a gente descobre a origem, chega às causas, ao entendimento, à elaboração e à cura. Essa é a importância da psicoterapia", destaca Mônica.

Talvez seja o convívio com alguém que não te agrade e tente te colocar para baixo, lembranças ruins vindas de situações ainda não resolvidas, traumas de relacionamentos anteriores, insatisfação com o parceiro… A psicóloga explica que problemas no amor também funcionam assim. Esses sentimentos ficam presos à pessoa, e não se trata de simplesmente esquecer, mas de não querer esquecer.

A profissional lembra que não é nada fácil aceitar essa situação, precisando de cautela ao aconselhar alguém que está passando por um momento assim: "Diga a uma pessoa que fulano(a) não serve mais. Que não é mais dela. Pronto. Essa singela frase faz com que só pense nele(a). Dias e noites passarão e ele(a) estará lá, vivo na sua cabecinha", explica a profissional.

"Reagir. Relaxar. Conversar com os amigos. Ver um filme. Distrair-se. Pensar em outros assuntos. Seguir em frente. Fazer terapia. Isso é limpar a alma. Só assim se supera o fim de um relacionamento. É desafiador? É. Mas é possível", finaliza Mônica, aconselhando quem está passando por essa fase.

Se você se identifica com algo que foi falado e isso está, inclusive, atrapalhando o seu dia a dia, procure ajuda profissional!

Consultoria: Mônica Raouf el Bayeh, psicóloga clínica e psicoterapeuta; Fabio Sawada Shiba, neurologista | Texto e entrevista: Vítor Ferreira

Veja também:

Alto Astral
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade