PUBLICIDADE

Alimentos ultraprocessados diminuem sua estimativa de vida, diz a Ciência

Impactos e perigos dos ultraprocessados que você precisa saber

11 abr 2024 - 06h20
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
Um recente estudo publicado na revista BMJ Global Health sugere que o consumo excessivo de alimentos ultraprocessados está diretamente associado a um risco aumentado de mortalidade por diversas causas. O estudo revelou que indivíduos com maior ingestão de ultraprocessados apresentaram um risco 20% maior de morte.
Foto: Freepik

O avanço na produção e consumo de alimentos ultraprocessados tem trazido à tona uma discussão relevante sobre seus impactos na saúde pública. Estes produtos, que vão desde refrigerantes até refeições prontas congeladas, caracterizam-se pela alta concentração de gorduras, açúcares, sal e uma variedade de aditivos químicos com o objetivo de melhorar sabor, aroma e aparência. 

O recente estudo publicado na revista BMJ Global Health destaca que o consumo excessivo desses alimentos está diretamente associado a um risco aumentado de mortalidade por diversas causas. Com mais de 100 mil participantes acompanhados ao longo de uma década, o estudo revelou que indivíduos com maior ingestão de ultraprocessados apresentaram um risco 20% maior de morte.

A importância deste achado reside não apenas no número de mortes prematuras associadas — estimadas em 57 mil por ano entre brasileiros de 30 a 69 anos — mas também no potencial preventivo que a redução no consumo desses alimentos poderia trazer. 

A pesquisa sugere que reverter o consumo para níveis de uma década atrás poderia evitar 21% dessas mortes, destacando a urgência de políticas focadas na promoção de uma alimentação mais saudável.

Nem dá pra chamar de alimento... 

Renata Domingues de Nóbrega, médica especializada em Nutrologia, explica que ultraprocessados são definidos como formulações industriais feitas principalmente de substâncias derivadas de alimentos, muitas vezes modificadas quimicamente. Essa característica os torna pobres em nutrientes essenciais enquanto são ricos em calorias, promovendo um ciclo vicioso de baixa saciedade e consumo excessivo. 

"O resultado é um aumento no risco de obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares e até câncer, este último potencializado pela presença de carcinógenos em muitos desses produtos", diz ela.

O fenômeno do consumo excessivo de ultraprocessados está intimamente ligado à mudança no perfil alimentar global, influenciado por um marketing agressivo e pela conveniência desses produtos. No Brasil, o aumento significativo na ingestão desses alimentos, de 12,6% para 18,4% entre 2002 e 2018, reflete uma tendência preocupante que exige atenção. 

Esse padrão de consumo contribui para a substituição de alimentos in natura ou minimamente processados, fundamentais para uma dieta equilibrada, por opções menos saudáveis.

Passe longe dos ultraprocessados 

A recomendação do Guia Alimentar para a População Brasileira é clara: os ultraprocessados devem ser evitados. Não há nível seguro para o consumo desses produtos, que são desenhados para induzir ao excesso através da hiperpalatabilidade — uma estratégia da indústria para ativar os sistemas cerebrais de recompensa e promover a dependência. 

"Essa orientação é crucial não apenas para a prevenção de doenças crônicas, mas também para combater o aumento alarmante de doenças metabólicas e o câncer, que continuam a ser uma das principais causas de morte no mundo.

Portanto, é imperativo repensarmos o nosso padrão alimentar, privilegiando o consumo de alimentos frescos e minimamente processados. Políticas públicas devem ser direcionadas para educar a população sobre os riscos associados ao consumo de ultraprocessados e incentivar práticas alimentares saudáveis", diz a médica. 

A adoção de uma alimentação mais natural não apenas beneficia a saúde individual, mas tem o potencial de impactar positivamente a saúde pública, reduzindo o ônus das doenças crônicas na sociedade.

“Este momento exige uma reflexão profunda sobre as escolhas alimentares e o modelo de produção de alimentos. A mudança começa com a informação e a conscientização sobre os impactos de nossas escolhas alimentares, tanto para nossa saúde quanto para o ambiente. Com essa abordagem, podemos caminhar em direção a um futuro mais saudável e sustentável”, finaliza Renata Domingues de Nóbrega.

(*) HOMEWORK inspira transformação no mundo do trabalho, nos negócios, na sociedade. É criação da Compasso, agência de conteúdo e conexão.

Homework Homework
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade