PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Pelourinho é palco de feira gastronômica com quitutes de Jorge Amado

Merendas de Dona Flor ganha nova edição neste sábado em frente à Fundação Casa de Jorge Amado

25 mai 2013 - 08h20
(atualizado às 08h23)
Compartilhar
Exibir comentários
<p>Primeira edição do ano do projeto Merendas de Dona Flor aconteceu no dia 4 de maio</p>
Primeira edição do ano do projeto Merendas de Dona Flor aconteceu no dia 4 de maio
Foto: Divulgação

A relação do escritor baiano Jorge Amado com a culinária sempre esteve presente em suas obras: em Tieta do Agreste, Gabriela, Cravo e Canela, Dona Flor e Seus Dois Maridos, entre outras, há muitas narrações sobre a gastronomia da Bahia. Para incentivar a leitura das obras do escritor pelo paladar, a Fundação Casa de Jorge Amado realiza neste sábado (25), às 15h, no Largo do Pelourinho, a segunda edição do ano do projeto Merendas de Dona Flor.

Os eventos são feiras gastronômicas com diversas barracas que vendem quitutes típicos da culinária baiana, presentes nos livros de Jorge Amado. “Embora tenha seu principal foco, é um evento multicultural porque, além da feira, uma banda de chorinho se apresenta no local, onde se promove o lançamento de livros de autores independentes”, conta Vitor Andrade, assessor da casa. Ainda no evento, uma aula promovida pelo Senac ensina o público a preparar um prato da comida baiana.

Entre as iguarias mais famosas dos livros do escritor e que marcam presença na feira, estão o bolinho de estudante, citado em Sumiço da Santa, o cuscuz de tapioca, presente em três obras de Jorge Amado, e o Beiju de tapioca, apreciado por diversos personagens do escritor. O público ainda poderá saborear as famosas cocadas e a baba de moça, preparadas por Dona Flor, além de seu delicioso quindim. “Para contextualizar tudo isso, cada barraca terá ao lado as informações sobre o livro em que aquele quitute se encontra”, destacou Vitor.

Segundo ele, a culinária possui um significado simbólico e uma identidade própria dentro da cultura baiana. “Falar da Bahia sem pensar em sua culinária é impossível. É uma das expressões mais fortes da cultura baiana e fortemente presente nas obras de Jorge Amado”, disse. Apesar de os quitutes não serem protagonistas de suas obras, Vitor destaca que o escritor sempre fez questão de resgatar a gastronomia local para o público.

As próximas edições de Merendas de Dona Flor serão realizadas sempre nos últimos sábados de cada mês, até novembro deste ano, com exceção do mês de junho, que não haverá edição do projeto devido à programação dos festejos juninos. O evento é gratuito e é sediado em frente à Fundação Casa de Jorge Amado.

Fonte: Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade