PUBLICIDADE

Por que 'vírus gigantes' achados por cientistas no gelo podem ajudar o planeta?

Organismos têm genoma e tamanho maior; eles podem se alimentar de algas que aceleram o derretimento de geleira e frear impactos das mudanças climáticas

8 jun 2024 - 14h14
(atualizado às 23h44)
Compartilhar
Exibir comentários
Descoberta na Groenlândia pode ajudar a entender processos de derretimento das geleiras
Descoberta na Groenlândia pode ajudar a entender processos de derretimento das geleiras
Foto: Will West/The Nippon Foundation/Nekton/Ocean Census via AP Images

Vírus gigantes encontrados por cientistas pela primeira vez no gelo e na neve podem ajudar a controlar o derretimento acelerado de geleiras e o aquecimento global. É essa a hipótese de pesquisadores da Universidade de Aarhus, na Dinamarca, que publicaram sobre a descoberta desses organismos em um estudo no jornal científico Microbiome em maio.

Vírus comuns são cerca de mil vezes menores que uma bactéria, mas os organismos identificados pelos cientistas na superfície do gelo, na Groenlândia, são maiores do que elas (2,5 micrômetros). Também têm um genoma mais de dez vezes maior em relação a outros vírus.

"Eles podem ser úteis como forma de aliviar o derretimento do gelo causado pelas florações de algas. Ainda não sabemos quão eficiente isso seria, mas esperamos responder a essas perguntas ao estudá-los mais a fundo", diz Laura Perini, do Departamento de Ciências Ambientais da Universidade de Aarhus, em um comunicado da universidade.

As algas florescem no gelo durante a primavera e provocam seu escurecimento. Com isso, a capacidade da geleira de refletir o sol diminui e seu derretimento se acelera, o que agrava o aquecimento global.

Segundo os cientistas, a presença dos vírus no gelo pode indicar que eles se alimentam dessas algas, tendo potencial para atuar como um mecanismo natural de controle desse processo.

Descoberta recente

O derretimento do manto de gelo da Groenlândia, no Oceano Ártico, é um dos chamados pontos de inflexão das mudanças climáticas, que geram um efeito cascata nos sistemas climáticos do planeta.

Temperaturas mais altas têm feito essa camada se aproximar de um estágio crítico, em que o manto de gelo não pode mais se recuperar.

Com isso, ele caminha para um derretimento cada vez mais rápido. Há impactos, como o aumento do nível do mar e nas correntes marinhas, que podem intensificar ainda mais fenômenos como o El Niño.

Os vírus gigantes são uma descoberta relativamente recente da ciência: foram encontrados pela primeira vez no oceano em 1981. Por isso, não se sabe muito sobre eles, que também foram detectados no solo e até em humanos.

Os pesquisadores da Universidade de Aarhus estão estudando as interações e o papel desses organismos no ecossistema e devem lançar um novo artigo científico com mais informações sobre como infectam as microalgas na camada de gelo da Groenlândia ainda neste ano.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade