PUBLICIDADE

Dedo coçando, cabelo arrepiado: por que turistas sentiram isso antes de morte de guia atingido por raio?

Leilson Barros de Souza, de 36 anos, morreu após ser atingido por um raio na Pedra da Gávea, no Rio de Janeiro

27 nov 2023 - 12h26
(atualizado às 12h59)
Compartilhar
Exibir comentários
Leilson Souza foi atingido por um raio durante a trilha da Pedra da Gávea
Leilson Souza foi atingido por um raio durante a trilha da Pedra da Gávea
Foto: Reprodução/Instagram/@leilsonbsouza

Na última semana, o guia turístico Leilson Barros de Souza, de 36 anos, morreu após ser atingido por um raio na Pedra da Gávea, no Rio de Janeiro.

Segundo a turista Karlla Araujo, em uma publicação em uma rede social, o raio caiu no momento em que ele estava sentado em contato direto com a pedra. "A descarga foi muito forte", disse ela. Leilson morreu instantaneamente.

Antes da queda do raio, no entanto, outros turistas relataram em reportagem do Fantástico, da TV Globo, exibida no domingo, 26, terem sentido alguns sinais estranhos, como o cabelo arrepiado e o dedo coçando.

"Dois colegas lá falaram que o cabelo dele estava arrepiado. Eu também senti meu dedo coçando bastante e, quando a gente se aproximou do topo, ouvimos um barulho de energia", contou o empresário Paulo Eduardo Santos.

Mas por que isso acontece? Conforme o especialista Osmar Pinto Júnior, coordenador do grupo de eletricidade atmosférica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), pouco antes de um raio cair num lugar, é criado um campo elétrico muito intenso na região. "E esse campo elétrico faz a pele formigar, faz os cabelos ficarem arrepiados. Quando acontece isso, a pessoa está na iminência de ser atingida por um raio", explicou à emissora.

"Se você vai fazer alpinismo, se vai para a beira da praia, se vai jogar futebol num campo de várzea, se vai em um passeio na zona rural, olha a previsão meteorológica antes", reforçou o especialista.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade