PUBLICIDADE

Pneus e a F1: teremos concorrência para a Pirelli a partir de 2025?

Não é só as fornecedoras de motores que pedem definições do regulamento técnico. A Pirelli também quer saber e pode ter concorrência pela F1

17 mai 2022 16h22
ver comentários
Publicidade
Gama atual de pneus da Pirelli. Novidades para 2025?
Gama atual de pneus da Pirelli. Novidades para 2025?
Foto: Pirelli / Divulgação

Por conta da entrada de Porsche e Audi na F1, todos os olhos se voltaram para a definição dos motores para 2026. Mas existe um outro aspecto a ser definido e é tão importante quanto isso, impactando diretamente os aspectos técnicos, econômicos e esportivos: os pneus.

Atualmente, a Pirelli tem o monopólio do fornecimento para a F1 até 2024 (originalmente, era até 2023, mas foi acordada uma extensão de 1 ano por conta da pandemia). Aparentemente, a fábrica parece satisfeita com o acordo pelo lado técnico e comercial, principalmente pela expansão da exposição da categoria. O responsável pelo programa de F1, Mario Isola, já expos isso.

Entretanto, há todo um processo a ser seguido. Como feito anteriormente, a FIA deve lançar um processo de licitação para o fornecimento de pneus para a categoria por 5 anos. Neste caso, seria para o período 2025/2029.

Como a F1 considera fazer uma revisão no regulamento técnico em 2026, a Pirelli também gostaria de saber o mais breve possível qual o caminho a ser seguido para iniciar a questão de desenvolvimento dos novos pneus, até mesmo para verificar a viabilidade de prosseguir com a categoria, que está junta desde 2011.

Um dos aspectos que serão levados em conta será o maior impacto ambiental. Embora a corrida em si hoje seja a parte menos impactante na pegada de carbono da F1, a indústria automobilística olha com atenção isso. Além de reduzir o número de jogos (uma direção neste sentido foi decidida para 23 em 2 provas), reduzindo a quantidade a ser deslocada, a questão da construção dos pneus também impacta. Embora os pneus usados e não aproveitados sejam aproveitados para a fabricação de concreto, o uso de elementos ambientalmente responsáveis será mais cobrado.

Não à toa, a FIA cogita que, antes do lançamento da licitação, seja emitida uma convocação para levantamento de informações para que sejam observadas situações para a elaboração da concorrência. Neste caso, não só a Pirelli, mas outras fabricantes poderiam participar não só para dar subsídios ao processo, mas também para verificar o que vem sendo feito neste sentido pelo mercado.

Entretanto, nós deveremos ver o formato atual sendo mantido. Ou seja: fornecimento por uma única empresa. Embora muitos fãs torçam por uma guerra de fornecedores, nem as equipes querem isso por conta da espiral de custos que o desenvolvimento forçaria.

Outro aspecto também a ser considerado é o desgaste. Muitos reclamam do trabalho que a Pirelli faz, só que o mantra é repetido: só fazemos o que nos é pedido. Um dos pontos é o desempenho. Só que para 2022, temos visto pneus durando mais do que seus antecessores. Pode ser um ponto para o lado ambiental...pode animar outros fornecedores.

A Michelin não quis tomar parte no processo passado por não concordar com a política de fazer pneus que desgastassem demais e ter o monopólio. A Bridgestone toparia o monopólio, mas não pneus esfarelantes. Ambas as marcas têm tido uma postura mais ativa em relação ao meio ambiente.

Quem deve reaparecer nesta história é a coreana Hankook, que participou do último processo de licitação para fornecimento à F1. Cabe lembrar que a marca assume o fornecimento para a Fórmula-E a partir da próxima temporada com a implantação do Gen3. Outra que pode aparecer é a Good Year, que está se recuperando de um processo de recuperação judicial e iniciou uma reaparição no automobilismo internacional com o fornecimento de pneus para o WEC (categoria LMP2).

Este será um tema que esquentará nos próximos tempos e você verá tudo aqui no Parabólica.

 

Parabólica
Publicidade
Publicidade