PUBLICIDADE

Ram e Chery terão picape monobloco do porte da Hilux

Baseadas na Fiat Toro e no Tiggo 7, as inéditas picapes da Ram e da Chery vão criar uma nova categoria no mercado brasileiro

28 set 2021 06h30
ver comentários
Publicidade
Projeção da picape Chery Tiggo.
Projeção da picape Chery Tiggo.
Foto: Kleber Silva / KDesign

A Ram e a Chery desenvolvem no Brasil e na África do Sul duas picapes inéditas, com carroceria monobloco e porte próximo ao da Toyota Hilux. Trata-se de uma ousadia técnica. Picapes médias do porte da Hilux utilizam carroceria sobre chassi para aguentar o trabalho pesado. O sucesso da Fiat Toro, porém, motivou a Stellantis e a Chery a apostaram na fórmula da carroceria monobloco, porém bem maiores.  

O grande desafio técnico para as novas picapes está na suspensão traseira. A Renault Oroch, derivada do SUV Duster, e a Fiat Toro, derivada do Jeep Renegade, conseguiram agradar especialmente o público que busca picapes compactas para o lazer. No caso das inéditas picapes da Ram e Chery, a aposta será mais ousada. Isso deve criar uma nova categoria no mercado brasileiro: a de picapes médias monobloco.

Projeção da picape Ram 1200.
Projeção da picape Ram 1200.
Foto: Kleber Silva / KDesign

A picape da Ram (que talvez se chame 1200) e a da Chery (projeto Tiggo PUP) devem brigar diretamente no mercado brasileiro. O projeto da Stellantis é chamado de “Torona” internamente, na fábrica de Goiana (PE). Já a picape da Chery, segundo o CEO da Caoa Chery, Marcio Alfonso, interessa ao Brasil. Por isso, os executivos da Caoa acompanham atentamente sua evolução.

Segundo o site Autoo, um dos motivos que permitem a ousadia de uma picape média do porte da Hilux é a qualidade dos materiais, que permitem maior robustez nas caminhonetes. Os testes de desenvolvimento, entretanto, vão definir o tamanho da ousadia da Ram e da Chery. A nova picape Ford Maverick, por exemplo, é maior do que a Fiat Toro, mas não muito. Ela utiliza suspensão traseira independente com tração 4x4.

Projeção da picape Chery Tiggo.
Projeção da picape Chery Tiggo.
Foto: Kleber Silva / KDesign

Uma coisa é certa: as novas picapes terão de transportar mais de 1.000 kg de carga, para chegar ao máximo perto das médias Toyota Hilux, Chevrolet S10 e Ford Ranger. Por isso, até mesmo boas ideias que foram abandonadas, como a picape Classe X, da Mercedes-Benz, servem de parâmetro, pois o modelo alemão (que durou pouco devido ao posicionamento de marca) tinha uma geometria de suspensão complexa e que combinava robustez, conforto e estabilidade.

Com o avanço das notícias sobre essas novas picapes, o designer brasileiro Kleber Silva fez duas atualizações de suas projeções, que publicamos nesta reportagem. No caso da Ram, Kleber aumentou o porte da picape, mas manteve as linhas que já tinha apresentado, uma mistura de Fiat Toro com Ram 1500. 

Projeção da picape Ram 1200.
Projeção da picape Ram 1200.
Foto: Kleber Silva / KDesign

No caso da picape Chery, ele não apenas ampliou o porte da picape (antes renderizada no tamanho do SUV Tiggo 7), mas também acrescentou conjuntos óticos do modelo Exeed VX Concept, marca chinesa de luxo que a Caoa vai lançar no Brasil em 2022. No caso das duas picapes, a estreia não deve acontecer antes de 2024.

Guia do Carro
Publicidade
Publicidade