0

Jeep, agora em 5º lugar, marca data para revelar novo SUV

Com apenas dois carros (Renegade e Compass), a Jeep conseguiu incríveis 7,5% de participação em janeiro, mas quer mais com um SUV inédito

5 fev 2021
05h00
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Novo Jeep de 7 lugares chega este ano, mas o design ainda é segredo.
Novo Jeep de 7 lugares chega este ano, mas o design ainda é segredo.
Foto: Jeep / Divulgação

A Jeep já decidiu a data de revelação de seu novo SUV de 7 lugares para o mercado brasileiro: 4 de abril (ou 4/4, como prefere a marca, para remeter aos carros com tração 4x4). Com  incríveis 7,5% de participação no mercado brasileiro tendo 99% de suas vendas concentradas em apenas dois modelos (Renegade e Compass), a Jeep agora ocupa o 5º lugar no ranking de vendas.

É muita coisa, considerando que o carro mais barato da marca é bem caro: R$ 85 mil (Renegade Std). Se não bastasse isso, o segundo “mais barato” passa de R$ 100 mil (Renegade Sport). Já o Compass mais acessível custa R$ 136 mil. Mas, afinal, qual é o segredo da Jeep? Segundo o novo diretor de Operações Comerciais da Jeep no Brasil, Everton Kurdejak, um dos segredos é a oferta de motores a diesel.

Novo Jeep de 7 lugares fotografado durante testes na Europa.
Novo Jeep de 7 lugares fotografado durante testes na Europa.
Foto: Autocar / Reprodução

No Renegade, a versão Moab se transformou numa porta de entrada para o SUV a diesel. No Compass, as vendas das versões a diesel já representam 50%. Este índice deve cair na metade do ano, quando chegará o novo Compass (facelift). O carro chegará com um novo motor 1.3 turbo flex e isso deve atrair alguns clientes que hoje preferem o diesel. O Compass a diesel é muito apreciado na região Nordeste, devido à tração 4x4 e pela entrada de torque.

Outro fator de sucesso da Jeep, segundo Kurdejak, são as vendas diretas. Mas, ao contrário do que acontecia até pouco tempo atrás, “91% das vendas diretas do Compass são para clientes de um carro só”. Os outros 9% se dividem entre locadoras e frotistas. Kurdejak também aponta a promoção feita no início da pandemia (a Jeep diz que pagou as primeiras 8 parcelas para os clientes) como um dos fatores de sucesso da marca.

Interior do Jeep Compass italiano após o facelift: espera-se algo parecido para o Brasil.
Interior do Jeep Compass italiano após o facelift: espera-se algo parecido para o Brasil.
Foto: Jeep / Divulgação

O que mais vem por aí? Além do novo Compass reestilizado, que terá novo motor e uma tela multimídia maior, haverá a chegada de um inédito SUV de 7 lugares. “As pessoas falam muito no SUV de 7 lugares, mas este é apenas um dos features dele, e não está nem entre os cinco principais", disse Kurdejak, durante uma entrevista coletiva via Google Meet para um restrito grupo de jornalistas. 

Na ocasião, o novo diretor da marca Jeep dentro da Stellantis disse confiar na manutenção da fatia de 7,5% do mercado, embora com uma queda na metade do ano devido à substituição do atual Compass pelo novo. No caso específico do mercado de SUVs, Everton Kurdejak disse que a Jeep não apenas quer manter a liderança: “Queremos a liderança absoluta”. Mesmo demonstrando respeito pela chegada de concorrentes como o Volkswagen Taos, o Toyota Corolla Cross e o Ford Bronco Sport, o executivo da Jeep disse que o Compass manterá sua hegemonia no segmento SUV-C (médio).

Everton Kurdejak, da Jeep: “91% das vendas diretas do Compass são para clientes de um carro só”.
Everton Kurdejak, da Jeep: “91% das vendas diretas do Compass são para clientes de um carro só”.
Foto: Sergio Quintanilha / Reprodução

“Dentro de sua faixa de preço, o Compass tem quase 70% das vendas do segmento”, comentou. Kurdejak também comentou sobre o prazo de entrega dos carros da Jeep. “Como a Jeep tem apenas dois carros fabricados no Brasil, a gente trata cada versão como se fosse um produto”, explicou. “Portanto, são sete produtos do Compass e sete do Renegade. Desses 14 produtos, nove são entregues entre 15 e 30 dias, que são as versões de entrada. Nas versões a diesel, o prazo de entrada é maior, mas ocorre no máximo em 60 dias.”

Em janeiro, a Jeep obteve 12.127 emplacamentos e atingiu um resultado expressivo no segmento de utilitários-esportivos com uma fatia de 25,3%, o segundo melhor índice já registrado pela marca. Esse número ficou atrás apenas dos 25,8% obtidos em dezembro de 2016, quando o Compass havia acabado de ser lançado e havia muito menos concorrentes com vendas significativas na categoria de SUVs.

Renegade 4xe: um dos modelos híbridos plug-in que a Jeep trará para o Brasil.
Renegade 4xe: um dos modelos híbridos plug-in que a Jeep trará para o Brasil.
Foto: Jeep / Divulgação

Além do novo Compass e do SUV de 7 lugares, a Jeep trará para o país duas versões elétricas: uma do Renegade e outra do Compass. As duas são híbridas plug-in, que oferecem a possibilidade de circular no modo 100% elétrico na cidade e com gasolina na estrada. Porém, como serão importados da Itália, o Renegade e o Compass híbridos plug-in mais caros do que as atuais versões topo de linha (R$ 172 mil no Renegade e R$ 232 mil no Compass).

 

Veja também:

Novo Nissan Kicks 2022 dá um salto de qualidade
Guia do Carro
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade