4 eventos ao vivo

Como a Inglaterra salvou a produção do Volkswagen Fusca

Há 75 anos, em Wolsfburg, major britânico Ivan Hirst permite a produção de veículos em tempo recorde com considerável improvisação

23 dez 2020
10h59
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Volkswagen Type 1, o “Beetle” para a maior parte do mundo, o "Fusca" para os brasileiros.
Volkswagen Type 1, o “Beetle” para a maior parte do mundo, o "Fusca" para os brasileiros.
Foto: VW / Divulgação

Em 27 de dezembro de 1945 teve início a produção em série do Volkswagen Sedan (Tipo 1). Este foi o verdadeiro começo da história de sucesso do Fusca. O modelo foi originalmente planejado como um projeto de prestígio dos nazistas. Mas de 1939 em diante a fábrica de Wolfsburg produziu armamentos em vez de veículos. 

Até o final da Segunda Guerra Mundial, apenas 630 unidades do modelo, que havia sido rebatizado de “KdF-Wagen” em 1938, deixaram a fábrica da Volkswagen. Foi somente sob a tutela britânica que a história de sucesso do Fusca começou em Wolfsburg, graças à visão estratégica do Major Ivan Hirst.

A produção em série do Volkswagen civil -- denominado internamente como “Tipo 1”, que mais tarde se tornou mundialmente conhecido como Beetle no mundo e Fusca no Brasil --, só começou após o fim da Segunda Guerra Mundial, em 27 de dezembro de 1945, sob a tutela sobre a Volkswagenwerk GmbH, que havia sido assumida pelo Governo Militar Britânico em junho de 1945. Os britânicos pretendiam usar o Volkswagen Tipo 1 para executar tarefas de transporte urgentemente necessárias dentro de sua zona de ocupação.

Foi esse pragmatismo britânico que finalmente protegeu a fábrica contra a demolição iminente. O oficial residente sênior, major Ivan Hirst, desempenhou um papel fundamental neste desenvolvimento. Foi a sua clarividência e o talento para a improvisação que possibilitaram o início da produção automóvel nos anos de racionamento em condições dominadas pela escassez. Com seu entusiasmo por tecnologia e carros, sua determinação e atitude distinta, ele conseguiu transformar uma antiga fábrica de armamentos em uma empresa industrial civil em um espaço de tempo impressionantemente curto.

O "casamento" entre carroceria e chassi na fábrica da Volkswagen em Wolfsburg.
O "casamento" entre carroceria e chassi na fábrica da Volkswagen em Wolfsburg.
Foto: VW / Divulgação

O Governo Militar Britânico já havia expedido uma encomenda de 20.000 veículos em agosto de 1945. O início da produção foi um sinal visível de um novo começo e esperança na fábrica, que havia sido amplamente destruída no final da Segunda Guerra Mundial. Essa solução estava de acordo com a política britânica posterior para a Alemanha, que via a segurança financeira e as perspectivas futuras para a população como elementos-chave no desenvolvimento de estruturas democráticas. Finalmente, a democracia encontra seu caminho na Volkswagenwerk: em 27 de novembro de 1945, o Conselho de Trabalhadores eleito em uma votação democrática realizou sua reunião constituinte.

No entanto, houve problemas consideráveis no fornecimento de alimentos e espaço vital para a força de trabalho, e a produção foi prejudicada por gargalos no fornecimento de matéria-prima e energia. Apesar dessas condições difíceis, o primeiro Volkswagen Sedan saiu da linha de produção logo após o Natal. Wolfsburg e Volkswagenwerk GmbH receberam um presente de Natal atrasado, apenas oito meses após o fim da guerra. No final de 1945, um total de 55 veículos haviam sido produzidos.

Volkswagen Beutler pickup (1951) carregando um NSU Quickly N (1953).
Volkswagen Beutler pickup (1951) carregando um NSU Quickly N (1953).
Foto: VW / Divulgação

De 1946 até a reforma monetária, cerca de 1.000 veículos foram produzidos por mês. Não foi possível produzir mais veículos devido à escassez de materiais e ao racionamento e à falta de pessoal. Os curadores responsáveis lançaram as bases para um maior crescimento da empresa no outono de 1949. Eles estabeleceram um sistema de vendas e serviço pós-venda e começaram a exportar o Volkswagen Sedan em 1947.

A decisão de desenvolver uma fábrica civil e iniciar a produção em série do Volkswagen Tipo 1 foi o ponto de partida de uma história de sucesso única. Graças ao reinício precoce, a Volkswagenwerk GmbH obteve excelente posição inicial para a recuperação econômica após a introdução do marco alemão como moeda do país. Sob a designação não oficial de “VW Beetle”, o carro se tornou mais popular do que quase qualquer outro modelo de automóvel em todo o mundo. Também bateu o recorde em termos de duração e volume de produção. A Volkswagen apenas interrompeu a produção do VW Beetle no México em 2003, após 21.529.464 veículos terem sido fabricados, incluindo cerca de 15,8 milhões na Alemanha.

Volkswagen 1100 Karmann Cabriolet de 1949.
Volkswagen 1100 Karmann Cabriolet de 1949.
Foto: VW / Divulgação

Atualmente, a marca Volkswagen está presente em mais de 150 mercados em todo o mundo e produz veículos em mais de 50 localidades em 14 países. Em 2019, a Volkswagen entregou 6,3 milhões de veículos, incluindo modelos mais vendidos, como Golf, Tiguan, Jetta ou Passat. Atualmente, 195.878 pessoas trabalham para a Volkswagen em todo o mundo. A marca também possui mais de 10.000 concessionárias com 86.000 funcionários. A Volkswagen está avançando de forma consistente com o desenvolvimento da produção de automóveis. E-mobilidade, mobilidade inteligente e a transformação digital da marca são os principais tópicos estratégicos para o futuro.

Veja também:

Mercedes GLB 200, um SUV de 7 lugares com motor 1.3
Guia do Carro
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade