0

Análise: Ford Ranger cresce nas vendas; Storm é o símbolo

Picape Ford Ranger aproxima-se do melhor resultado em três anos; versão Storm simboliza sintonia com necessidades dos clientes

30 nov 2020
05h00
atualizado às 10h30
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Ford Ranger Storm: proposta aventureira sem preço exorbitante.
Ford Ranger Storm: proposta aventureira sem preço exorbitante.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

A picape Ford Ranger está a apenas 100 unidades de ter seu melhor resultado nos últimos três anos de vendas. O crescimento da picape coincide com o lançamento da Ranger Storm 4x4, uma versão a diesel que oferece mais atributos off-road do que os outros modelos da categoria, mas sem excesso de equipamentos para evitar um preço inacessível. 

Antes da Storm, a Ranger vendia uma média de 1.396 unidades por mês. Depois da Storm, a média subiu para 1.697 (contando apenas 27 dias de novembro). Faltando computar três dias de vendas do mês (28, 29 e 30), a Ranger acumula 2.227 emplacamentos. Está na terceira posição (atrás da Chevrolet S10 e da Toyota Hilux), porém muito distante da quarta colocada, Mitsubishi L200, que tem 861 vendas.

As melhores vendas da Ranger nos últimos três anos foram as seguintes: 

  • 2.459 unidades em Dezembro/2017;
  • 2.329 unidades em Outubro/2019;
  • 2.327 unidades em Dezembro 2019;
  • 2.227 unidades em Novembro/2020 (provisório).
Ranger Storm tem motor 3.2 turbo diesel de 200 cavalos e vários itens exclusivos.
Ranger Storm tem motor 3.2 turbo diesel de 200 cavalos e vários itens exclusivos.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

Tivemos a oportunidade de rodar pela segunda vez com a Ranger Storm, desta vez com mais liberdade porque não havia restrições impostas pela pandemia de coronavírus. Além, de um visual bastante agressivo, tanto na grade dianteira quanto nas rodas e na caçamba com santantônio, a Ranger Storm chama atenção pelo preço. Ela é a versão de entrada com motor 3.2 turbo diesel de 200 cv de potência e 470 Nm de torque.

A Ranger Storm 4x4 custa R$ 185.790. Tem câmbio automático de 6 marchas e três modos de tração (4x2, 4x4 High e 4x4 Low), como as versões XLT (R$ 211.490) e Limited (R$ 229.190). Mais do que isso: a Ranger Storm 3.2 é R$ 1.100 mais barata do que a XLS 2.2 de 160 cv e 385 Nm, que custa R$ 186.890 e tem 40 cavalos a menos. O nível de equipamentos das duas picapes é similar.

A Ranger Storm foca no público aventureiro. Equipada com pneus especiais para off-road, a nova Ranger Storm encara barro, lama, trilhas e riachos com mais desenvoltura. Os pneus especiais All Terrain Plus têm blocos grandes para drenagem de água, lama e areia. Os sulcos foram especialmente desenhados para expulsar as pedras que grudam em outros tipos de pneus. As laterais dos pneus foram reforçadas para resistir a impactos.

Com pneus especiais desenvolvidos pela Pirelli para uso 60% off-road, Ranger Storm é bem verstátil.
Com pneus especiais desenvolvidos pela Pirelli para uso 60% off-road, Ranger Storm é bem verstátil.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

É possível equipá-la com snorkel, caso o proprietário queira aventuras mais radicais. Sua capacidade de travessia em áreas inundadas é impressionante: 80 cm. O ângulo central, que permite transpor rampas, é bom, de 25 graus, superior ao de outras picapes. Em comparação com as rivais aventureiras Nissan Frontier Attack e Mitsubishi L200 Triton Sport GLX Outdoor, a Ranger Storm leva vantagem na capacidade de passar por áreas inundadas ou rios, na potência ou no vão livre do solo (23,3 cm na picape da Ford). A Ford também é mais generosa na garantia de cinco anos, enquanto a Nissan e a Mitsubishi oferecem três anos.

Durante nossa avaliação, a Ford Ranger Storm mostrou-se mais adequada para quem passa por pisos ruins. Na cidade ou na estrada de asfalto ela não roda de forma suave como as versões Limited e XLT. Porém, basta pegar areia, terra, pedregulho ou mesmo uma estrada asfaltada com piso ruim para a Ranger Storm sentir-se mais à vontade. Os pneus fazem muita diferença. Também passamos por uma situação incomum em asfalto bom (chuva forte, com muitas poças d’água na pista) e foi possível manter uma velocidade razoável sem que a picape sofresse aquaplanagem.

Interior da Ranger Storm não tem luxo, mas a conectividade é ótima e o painel é completo.
Interior da Ranger Storm não tem luxo, mas a conectividade é ótima e o painel é completo.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

Os pneus da Ranger Storm foram desenvolvidos em parceria entre a Pirelli e a Ford especialmente para esta versão. Além do charme das letras com contornos brancos no perfil, os pneus têm uso 60% off-road e 40% on-road. Porém, caso o interessado em uma Ranger Storm se encante pelo visual e/ou preço da versão, mas usa mais a picape em boas estradas, é possível trocar as rodas originais de 17” e os pneus 265/65 por rodas de 16” com pneus 285/75, que oferecem mais borracha tanto na banda de rodagem quanto no perfil, tornando o rodar mais suave no asfalto. Segundo a Ford, não há necessidade de mexer na suspensão, pois os pneus maiores não raspam na carroceria ou no chassi.

Outro atributo da Ranger Storm é a praticidade. O santantônio de aço tubular (pintado em preto fosco) se estende ao longo de toda a caçamba, que tem oito ganchos -- esse conjunto permite muito mais versatilidade na amarração de objetos grandes, como uma motocicleta ou uma prancha de surfe. Completando os itens off-road, a versão Storm tem bons estribos e proteção preta nas caixas de rodas (que também são pintadas de preto). Segundo a Ford, os alargadores de paralamas resistem bem a impactos porque são peças únicas, coladas e aparafusadas na carroceria. As lanternas traseiras escurecidas foram herdadas da série especial global Wildtrak.

Para quem prefere rodar mais no asfalto, Ranger Storm tem opção de pneus mais :"borrachudos".
Para quem prefere rodar mais no asfalto, Ranger Storm tem opção de pneus mais :"borrachudos".
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

Como dissemos, a proposta da Ranger Storm não é o luxo ou a sofisticação, e sim a mecânica e o design. Mesmo assim, trata-se de uma picape bem moderna, com ar-condicionado digital de duas zonas, excelente multimídia Sync 3 com tela de 8” e painel digital configurável com duas telas de 4,2”. Os bancos são de tecido, confortáveis. Ela tem ainda volante multifuncional, direção com assistência elétrica, faróis de neblina, câmera de ré e sete airbags

Quanto ao desempenho, é igual ao das outras duas versões 3.2 automáticas com tração 4x4. A potência de 200 cv surge a 3.000 rpm. Em velocidade de cruzeiro, ela roda muito silenciosamente. O motor Duratorq trabalha a 1.750 rpm a 100 km/h e a 2.000 rpm a 120. Como o torque de 470 Nm está disponível já com 1.750 giros, basta pisar no acelerador que a Ranger responde rapidamente. 

Como se vê, são muitos atributos positivos. E isso explica o crescimento de vendas da Ranger, que vive um de seus melhores momentos nos últimos três anos. Além disso, mesmo para os clientes que não compram a Ranger Storm, a presença desta versão na linha atiça a curiosidade dos clientes e os levam a conhecer a picape na rede de concessionárias Ford, comprando a que se encaixa em seu perfil ou orçamento.

Os números

  • Preço: R$ 185.790
  • Motor: 3.2 turbodiesel
  • Potência: 200 cv a 3.000 rpm
  • Torque: 470 Nm de 1.750 a 2.500 rpm
  • Câmbio: 6 marchas AT
  • Tração: 4x2, 4x4 e 4x4 reduzida
  • Comprimento: 5,354 m
  • Largura: 1,860 m
  • Altura: 1,821 m
  • Entre-eixos: 3,220 m
  • Vão livre: 232 mm
  • Ângulo de entrada: 28 graus
  • Ângulo de saída: 27 graus
  • Peso: 2.230 kg
  • Pneus: 265/65 R17 ou 285/75 R16
  • Caçamba: 1.180 litros
  • Capacidade de carga: 1.040 kg
  • Tanque: 80 litros
  • 0-100 km/h: 11s6
  • Velocidade máxima: 180 km/h
  • Consumo cidade: 8,6 km/l
  • Consumo estrada: 9,9 km/l
  • Emissão de CO2: 219 g/km

 

Guia do Carro
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade