0

"Você está enchendo o meu saco": Hillary zomba de Trump

21 out 2019
14h29
atualizado às 15h14
  • separator
  • 0
  • comentários

A ex-candidata presidencial americana Hillary Clinton parece estar se especializando em alfinetar Donald Trump com duas das principais armas do atual presidente dos Estados Unidos: escárnio e ficção histórica. Neste domingo (20/10) ela publicou no Twitter uma suposta carta de John F. Kennedy, chefe de Estado de 1961 a 1963, ao então primeiro-ministro soviético Nikita Khrushchev.

Hillary Clinton e Donald Trump em debate eleitoral: além de insultos e calúnias, futuro presidente empregou táticas de "bully"  em 2016
Hillary Clinton e Donald Trump em debate eleitoral: além de insultos e calúnias, futuro presidente empregou táticas de "bully" em 2016
Foto: DW / Deutsche Welle

Encabeçada "Encontrada nos arquivos..." e datada 16 de outubro de 1962 - em plena crise armamentista com Cuba -, a postagem já estabelece seu tom na primeira frase:

"Caro Premiê Khrushchev,

Não seja um escroto, OK? Tire os seus mísseis de Cuba."

Anteriormente apresentada no programa de TV Jimmy Kimmel Live, a correspondência fake é uma óbvia zombaria à recente carta (real) enviada por Trump a seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, em 9 de outubro.

Esta causou consternação generalizada, sobretudo nos meios diplomáticos, e sua autenticidade chegou a ser colocada em dúvida, devido a pérolas de redação infantil como: "[...] não quero ser responsável por destruir a economia turca - e eu vou." "Trabalhei duro para resolver alguns dos seus problemas." "Você pode fazer um ótimo negócio." "[A história] vai olhar para você para sempre como o demônio, se boas coisas não acontecerem. Não dê uma de durão. Não seja um boboca." E conclui: "Vou ligar mais tarde."

A ameaça a que Trump se refere fora criada poucos dias antes por ele mesmo, ao ordenar a retirada das tropas americanas da faixa na fronteira turco-síria, de onde Erdogan almejava há tempos expulsar as milícias curdas, suas inimigas. A decisão do presidente americano, dificilmente justificável mesmo dentro de seu Partido Republicano, tem sido condenada em nível internacional.

A carta fictícia de "Kennedy" segue uma linha análoga, prometendo, caso o russo retire os mísseis:

"Todo mundo vai dizer: 'Uau Krushchev! Você é o máximo!' Mas se não, todo mundo vai estar assim 'que bundão', e vai chamar o seu país de lixo de 'A Buniona Soviética'."

Por falar em "lixo", consta ter sido lá que ele jogou imediatamente a carta assinada por Trump, segundo fontes próximas a Ancara. Ainda assim, o presidente dos EUA estava tão satisfeito com sua façanha de política externa e estratégia que mostrou orgulhosamente a carta a diversos colaboradores na Casa Branca.

A motivação do tuíte satírico de Clinton, que foi logo "curtido" mais de 220 mil vezes, é o temor real de que a Turquia vá perpetrar uma limpeza étnica contra os curdos. Classificados como terroristas por Erdogan e seus adeptos, eles lutaram ao lado dos EUA para derrotar a milícia jihadista do "Estado Islâmico" (EI), a qual agora ameaça ressurgir. A retirada garantiu também enorme vantagem estratégica às forças russas na Síria.

Hillary Clinton conclui sua paródia no mais puro estilo trumpista, alertando "Krushchev":

"Você está realmente enchendo o meu saco aqui.

Te bato um fio mais tarde.

Abração,

John Fitzgerald Kennedy"

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade