PUBLICIDADE

Terra Agora

Peeling de fenol: invasivo, procedimento é seguro quando feito corretamente, diz médico

Morte do empresário Henrique Chagas, 27, levantou uma série de questionamentos sobre a segurança aos pacientes submetidos ao tratamento

6 jun 2024 - 18h06
(atualizado em 7/6/2024 às 10h36)
Compartilhar
Exibir comentários
Peeling de fenol: 'Dá certo se for feito da maneira correta', alerta médico sobre procedimento:

A repercussão sobre a morte do empresário Henrique Chagas, 27, após um procedimento de peeling de fenol, levantou uma série de questões sobre a segurança aos pacientes submetidos ao tratamento. Ao Terra Agora desta quinta-feira, 6, o médico Felipe Ribeiro, integrante da Sociedade Brasileira de Dermatologia, reiterou que o peeling é seguro quando feito sob as circunstâncias corretas.

De acordo com Ribeiro, entre os procedimentos estéticos, o peeling de fenol é o mais invasivo, atingindo a derme reticular, a camada mais profunda da pele. No entanto, o médico afirma que o peeling é extremamente seguro, realizado tanto o tratamento estético quanto de doenças. 

"É um líquido aplicado no rosto que gera um processo inflamatório e 'arranca' as células, obrigando o corpo a produzir novas células. É bem tolerado e seguro. A Sociedade Brasileira de Dermatologia e a Sociedade Internacional de Peeling revisam, todos os anos, as regras de boas práticas do procedimento", afirma Ribeiro.

Peeling de fenol: apesar de invasivo, procedimento é seguro quando feito da maneira correta, diz médico
Peeling de fenol: apesar de invasivo, procedimento é seguro quando feito da maneira correta, diz médico
Foto: Terra Agora

O dermatologista reitera que, apesar da segurança, há necessidade de que o procedimento seja realizado por médicos. "Existe todo um protocolo que é pedido para todos os pacientes, como eletrocardiograma, exames de urina e sangue. Há, depois, uma segunda consulta onde checamos os exames e se há alguma contraindicação". 

"Se a regra for seguida, não há relato de morte. No passado, quando esse procedimento era realizado por biomédicos, cabeleireiras, em casa ou em salões. Desde a regulamentação, o último caso de morte foi em 2007", explicou. 

Empresário Henrique Chagas, de 27 anos, morreu depois de fazer procedimento estético no rosto
Empresário Henrique Chagas, de 27 anos, morreu depois de fazer procedimento estético no rosto
Foto: Reprodução/Rick Chagas no Facebook / Estadão

Procedimento invasivo, mas seguro

O especialista explicou que, no procedimento, o ácido passa pelas camadas da pele até chegar à derme, onde há vasos sanguíneos. Dessa forma, o fenol chega a órgãos como o coração, rins e fígado, responsáveis por filtrar a segurança. "Quando algum desses órgãos não está íntegro, acontecem os problemas". 

"A parada cardíaca é rara. A arritima acontece em 7% dos pacientes que fazem o fenol, depois de 20 segundos da aplicação. Pode haver uma alteração cardíaca, mas a gente é preparado para reverter, não é uma complicação inesperada. Quanto aos rins e fígado, já sabemos que o paciente não tem problemas porque pedimos exames precocemente", apontou Ribeiro. Acompanhe o programa na íntegra aqui

Terra Agora vai ao ar toda quinta-feira, às 17h, ao vivo na home do TerraYoutube e nas redes sociais do Terra.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade