0

Nos EUA, gigantes de internet pedem retorno de regras da neutralidade da rede 

Em documento legal apresentado na segunda-feira, associações de tecnologia pediram a reversão da decisão da administração Trump de derrubar as regras em dezembro passado.

28 ago 2018
14h12
  • separator
  • comentários

Uma coalizão de grupos que representam empresas, incluindo a Alphabet , Facebook e Amazon, pediu a um tribunal federal de apelações para restabelecer as regras de neutralidade da rede, o marco regulatório aprovado em 2015 para garantir uma internet livre e aberta.

Em documento legal apresentado na segunda-feira, a Associação da Internet, a Associação de Software de Entretenimento, a Associação das Indústrias de Computação e Comunicações e a Associação de Escritores da América Ocidental pediram a reversão da decisão da administração Trump de derrubar as regras em dezembro passado.

"As regras que regulam a conduta de (provedores de internet, chamados de ISPs nos EUA) continuam a ser necessárias para proteger e promover uma internet aberta", escreveram os grupos em um comunicado enviado ao Tribunal de Apelações do Distrito de Columbia.

Na semana passada, 22 Estados e o Distrito de Columbia pediram ao mesmo tribunal de apelação que restabelecesse as regras anteriores depois que a Comissão Federal de Comunicações(FCC) votou por 3-2 em dezembro para reverter as regras que proíbem provedores de internet de obstruir ou estrangular o tráfego da internet ou oferecer faixas rápidas pagas, também conhecidas como priorização paga.

A FCC deu amplos e novos poderes aos provedores de internet para mudar a forma como os norte-americanos usam a internet - desde que divulguem quaisquer alterações. As novas regras entraram em vigor no início de junho, mas os principais provedores não fizeram mudanças no acesso à internet.

Os grupos de internet, que também representam Netflix, Microsoft, Twitter, Uber Technologies e muitas outras empresas de tecnologia, criticaram duramente a FCC e questionaram a base jurídica da medida.

Os grupos também rejeitam o argumento da FCC de que uma maior transparência permitirá que as forças do mercado garantam o acesso dos consumidores a uma internet aberta.

"É irracional pensar que a transparência em relação às práticas dos ISPs por si só pode proteger a neutralidade da rede para os milhões de consumidores que não podem mudar de provedor; eles devem aceitar as práticas de gerenciamento de tráfego divulgadas por seus ISPs ou ficar sem acesso à internet ", escreveram os grupos de internet.

Os grupos da internet também questionam a base legal que a FCC cita para impor os novos requisitos de transparência aos provedores, depois que a comissão disse que não tinha base legal para manter as regras de neutralidade da rede.

Os processos judiciais estaduais também pediram ao tribunal para reverter o esforço da FCC para impedir que os Estados imponham suas próprias regras, garantindo uma internet aberta.

Várias empresas de internet entraram com uma ação separada na semana passada para derrubar a decisão da FCC, incluindo a Mozilla, o Vimeo Inc, a Etsy e vários grupos de defesa de mídia e tecnologia. Outros têm dito ao tribunal que pretendem apoiar o esforço para reverter a revogação neutralidade da rede, incluindo a cidade de Nova York, o eBay e alguns membros do Congresso.

O presidente da FCC, Ajit Pai, disse repetidas vezes que acredita que as regras serão respeitadas e encorajarão investimentos adicionais dos provedores. Os grupos da internet resumidamente rejeitaram o argumento de que as regras de neutralidade da rede levaram à redução dos investimentos.

A FCC não comentou imediatamente a ação legal dos grupos da internet.

A revogação da neutralidade da rede foi uma vitória para os provedores de serviços de internet, como a Comcast Corp, AT&T e Verizon Communications , cujas práticas enfrentam significativa supervisão do governo e investigações da FCC sob encomenda 2015.

O Senado dos EUA votou em maio para manter as regras da internet da era Obama, mas é improvável que a medida seja aprovada pela Câmara dos Deputados ou pela Casa Branca.

Estadão Conteúdo

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade