2 eventos ao vivo

'Uber da reforma', Triider soma forças com gigantes da construção

Startup gaúcha que oferece 50 tipos diferentes para a casa foi adquirida recentemente por joint venture formada por Gerdau, Tigre e Votorantim; meta agora é expansão nacional

26 out 2020
05h12
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Nessa quarentena, muita gente teve de ficar em casa e começou a perceber um defeito aqui ou alguma coisa que precisava ser consertada ali. A vontade de resolver os problemas, porém, acaba ao lembrar das muitas complicações em se fazer uma reforma - a burocracia, a falta de garantia, a dificuldade de achar um profissional de confiança. São problemas que a startup gaúcha Triider, que se apresenta como um "Uber das reformas", tenta resolver. E a própria empresa está passando por uma reforma para crescer nos próximos meses, após ter sido adquirida pela Juntos Somos Mais, uma joint venture de três gigantes da construção: Gerdau, Tigre e Votorantim.

Com presença em cinco cidades - Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Brasília e Belo Horizonte -, a Triider oferece mais de 50 serviços em sua plataforma, com profissionais como eletricista, pedreiro, pintor, encanador ou até mesmo instalador de aparelhos de ar condicionado. O processo, assim como no Uber, é todo digital: o orçamento pode ser requisitado pelo app da empresa, com direito a envio de fotos para descrição do trabalho. Além disso, o serviço tem uma garantia obrigatória caso algo dê errado após a reforma. Em troca da intermediação, a Triider fica com uma comissão de 16%.

Segundo Juliano Murlick, presidente executivo da startup, todos os profissionais passam por testes de antecedentes criminais e também são avaliados em seus serviços. "Nós fazemos treinamentos e também testamos nos primeiros serviços, com avaliação dos usuários. Temos uma barra alta: se o cara é 70% bom, ele não funciona na plataforma", diz o executivo, que passou por empresas como Sicredi e Amazon antes de criar a Triider - a ideia surgiu após ele mesmo ter que fazer uma reforma em casa para o nascimento da filha.

No início da pandemia, a empresa viu suas atividades recuarem bastante. Com cerca de 100 serviços por dia, a Triider teve queda de 80% na demanda. A recuperação começou em junho e, em setembro, já retomou os níveis pré-quarentena. No meio disso - e percebendo a demanda do brasileiro para melhorar o lugar onde mora -, a companhia começou a buscar uma nova rodada de captação.

A proposta de aquisição, cujos valores não foram revelados, acabou aparecendo no meio do caminho, mas não é vista como o fim de uma era por Murlick. "Eles adquiriram a Triider, mas nós agora somos sócios. A gente sabe como escalar o negócio e eles tem conhecimento do mercado e capacidade financeira para suportar o crescimento", diz o executivo.

E bota crescimento nisso: hoje com 36 pessoas, a Triider deve chegar a 120 funcionários nos próximos seis meses. O plano é expandir sua atuação nas cidades em que já está presente - as contratações, porém, poderão ser feitas em qualquer lugar. "Já contratamos no Nordeste e em Florianópolis, o trabalho remoto é um legado positivo dessa pandemia." Para Murlick, os novos funcionários seguirão sentindo que estão trabalhando numa startup. "Eu tenho autonomia no negócio, nós buscaremos sinergias mas são empresas separadas. O engenheiro que vier trabalhar com a gente vai viver o nosso dia a dia - mas com suporte financeiro para fazer o que precisa."

Leia agora as histórias de startups que se destacaram nos últimos meses

Veja também:

Como a Tesla fez de Musk a 2ª pessoa mais rica do mundo
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade