PUBLICIDADE

Dock atinge avaliação bilionária após aporte de US$ 110 mi, mas não quer ser chamada de 'unicórnio'

Startup oferece meios de pagamento para fintechs por softwares em nuvem

12 mai 2022 17h24
ver comentários
Publicidade

A Dock, startup de software de meio de pagamento, anunciou nesta quinta-feira, 12, um aporte no valor de US$ 110 milhões, liderado pelos fundos Lightrock e Silver Lake Waterman, com participação de Riverwood Capital, Viking Global Investors e Sunley House Capital.

Com o investimento, a intenção da startup é desenvolver novos produtos e apostar na expansão internacional da operação. Além disso, a contratação de novos funcionários também está no radar da Dock.

"Encerrando esta rodada de captação, estamos entusiasmados em continuar inovando e expandindo enquanto criamos produtos que ajudam nossos clientes a crescerem e fornecerem serviços financeiros rápidos, eficientes e personalizados aos seus usuários", afirma em nota Antonio Soares, presidente da Dock.

Atualmente, a empresa atende clientes com foco em serviços de pagamento, crédito, cartões e APIs bancárias para fintechs. Com uma plataforma em nuvem, a startup consegue oferecer serviços financeiros prontos para outras empresas — a intenção é que seja um produto a menos para que os clientes se preocupem no dia a dia. De acordo com a startup, já são 300 clientes e cerca de 65 milhões de contas ativas só na América Latina.

A rodada de captação desta quinta é a primeira desde o aporte de US$ 170 milhões recebido em 2020, quando a startup ainda se chamava Conductor. Agora, o novo aporte entra para a lista dos maiores cheques investidos em startups brasileiras em 2022, atrás apenas de Neon e Creditas.

"Este investimento valida nossa visão de trazer grandes soluções para o mercado que resolvem problemas reais de negócios para nossos clientes, aumentando e democratizando o acesso a serviços financeiros. Agregamos valor porque pagamentos e serviços bancários são negócios complexos globais com especificidades locais, e entendemos isso melhor do que ninguém", explica Soares.

Com o investimento, a empresa, que foi rebatizada em 2021 edpois de cerca de 20 anos de existência, elevou sua avaliação de mercado para US$ 1,5 bilhão, mas não se vê como "unicórnio", startup avaliada em US$ 1 bilhão.

A companhia entende que a empresa segue um caminho diferente das demais empresas de tecnologia no País. Para eles, o status mágico não é aplicável ao seu modelo de negócios.

"Como uma empresa de 20 anos, e que foi transformada ao longo dos últimos 8 anos, a Dock entende que seu caminho é diferente daquelas tradicionalmente denominadas de unicórnios. Durante este período, a Dock acumulou diversos aprendizados com o mercado de startups e atuais unicórnios, mas vem em um caminho diferente", afirmou a Dock ao Estadão.

Estadão
Publicidade
Publicidade