0

App do Facebook que copiava o TikTok, Lasso será desativado

Lançado em 2018, o Lasso permitia que usuários publicassem vídeos de até 15 segundos na rede; Facebook decidiu apostar no mesmo formato com a ferramenta Reels, do Instagram

2 jul 2020
13h41
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O Facebook está oficialmente descontinuando seu aplicativo de vídeos curtos, o Lasso. Lançado na tentativa de competir com o TikTok, da chinesa ByteDance, o Lasso foi lançado em 2018 e só estará disponível até o próximo dia 10 de julho.

No Lasso, os usuários podiam fazer vídeos de até 15 segundos, semelhante ao TikTok, e visava atingir o público jovem, com algoritmos baseados em recomendações pessoais e hashtags para acessar os conteúdos. Segundo a consultoria App Annie, o Lasso tinha menos de 80 mil usuários ativos por dia.

Apesar da chegada em vários países, como Colômbia, México, Estados Unidos, Argentina, Chile, Peru, Panamá, Costa Rica, El Salvador, Equador e Uruguai — principalmente no início deste ano, afirmou outra consultoria, a Sensor Tower, ao site americano TechCrunch — a descontinuidade do app tem outra razão além da falta de competitividade com o TikTok: o lançamento do Reels, ferramenta do Instagram com funções semelhantes aos cortes e formatos de vídeo do app rival.

"Fazemos várias apostas em toda a nossa família de aplicativos para testar e aprender como as pessoas querem se expressar. Um desses testes foi o Lasso, nosso aplicativo de vídeo em formato independente, que decidimos encerrar. Agradecemos a todos que compartilharam sua criatividade e feedback conosco, que procuraremos incorporar em outras experiências de vídeo", disse um porta-voz do Facebook ao TechCrunch.

Rivalidade

Usado por mais de 500 milhões de pessoas em todo o mundo, o serviço da Bytedance traz vídeos ágeis, coreografias e desafios. Além de ter seus próprios influenciadores, é no TikTok hoje que nascem memes e ideias que se propagam depois pela internet, incluindo o próprio Instagram.

É algo que o Facebook reconheceu recentemente. "A tendência é que as pessoas estão distribuindo conteúdo no Instagram", disse Vishal Shan, chefe de produto do Instagram, citando apps como o TikTok e outro rival, o Snapchat, em uma entrevista recente ao Estadão. Questionado se o fato de que usuários utilizam serviços concorrentes para criar seus vídeos não é um problema, o executivo negou. "Não queremos restringir a criatividade dos usuários. O que importa é que quanto mais conteúdo houve para nossos usuários, melhor", explica. "Mas também é bom poder concentrar coisas em um aplicativo só." E claro, também significa que a empresa está engajando mais as pessoas - e quem atrai olhos na internet também fatura mais.

Nos últimos meses, o TikTok tem sido uma pedra no sapato do Facebook - foi um dos poucos apps a furar o bloqueio da empresa de Mark Zuckerberg na lista de programas mais baixados no Android e no iOS. Até Sheryl Sandberg, nº 2 da rede social, manifestou preocupação com o crescimento dos chineses.

Veja também:

Veja como funciona a Bixby, assistente de voz da Samsung
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade