PUBLICIDADE

Vídeo da queda de teleférico gera polêmica na Itália

Publicação em várias mídias do país criou um debate sobre a necessidade de mostrar este tipo de imagem

17 jun 2021 15h44
| atualizado às 16h20
ver comentários
Publicidade
Vídeo da queda do teleférico foi divulgado pelo noticiário da emissora TG3
Vídeo da queda do teleférico foi divulgado pelo noticiário da emissora TG3
Foto: Twitter/TG3 / Reprodução

A divulgação de um vídeo que mostrou pela primeira vez imagens do acidente com a cabine do teleférico de Stresa, cuja queda em 23 de maio matou 14 das 15 pessoas que estavam no equipamento, gerou polêmica na Itália nesta quinta-feira, 17.

A emissora pública italiana RAI foi alvo de críticas por transmitir as cenas que revelam que a cabine já estava próxima ao desembarque, quando o solavanco provocado pelo rompimento de um cabo - e a falta de atuação do sistema de freios de emergência - causou a descida rápida do transporte.

O vídeo do acidente foi divulgado pelo noticiário da emissora TG3 e compartilhado por outros jornais italianos, como Il Corriere della Sera e La Repubblica.

Isso gerou um debate sobre a necessidade de mostrar este tipo de imagens, as de um acidente que chocou a opinião pública e deixou apenas um sobrevivente - um menino de cinco anos que perdeu os pais e seu irmão.

"Em circunstâncias como esta, é dever do serviço público avaliar cuidadosamente todas as implicações, começando pelas éticas, em respeito às vítimas e suas famílias", admitiu o presidente da RAI, Marcello Foa.

A procuradora de Verbania, Olimpia Bossi, emitiu um comunicado denunciando "a absoluta inadequação da publicação" das imagens dos "últimos e dramáticos momentos" dos passageiros.

Segundo Bossi, "os parentes não foram informados e a transmissão das imagens foi proibida". "O sofrimento das famílias das vítimas não pode e não deve ser agravado por ações como esta", acrescentou.

A autoridade italiana de proteção de dados recomendou que todos os meios de comunicação e usuários de mídia social parem de compartilhar as imagens.

Já a prefeita de Stresa, Marcella Severino, se declarou "estupefata" com a divulgação do vídeo.

O acidente está sendo investigado e três pessoas foram indiciadas. Entre elas estão o proprietário da empresa Ferrovie del Mottarone, que administra o teleférico, Luigi Nerini, e o diretor de infraestrutura, Enrico Perocchio, que foram presos e posteriormente liberados, mas permanecem na lista dos investigados. O chefe de operações do teleférico, Gabriele Tadini, por sua vez, foi colocado em prisão domiciliar, após admitir que desativou o sistema de freios, o que causou a queda.

Em nota, a defesa dos três suspeitos da tragédia afirmou que "são os últimos a ter interesse na difusão" do vídeo publicado por alguns jornais. O documento é assinado em conjunto por Marcello Perillo, Andrea Da Prado e Paquale Patanno.

Já a advogada Alessandra Zanchi, que, com Enrico de Castiglione, representam os familiares de Silvia Malnati, vítima da tragédia junto com seu namorado, Alessandro Merlo, lamentou a divulgação das imagens. "Foi uma inútil espetacularização de uma tragédia que não serve ao propósito da investigação", disse. Zanchi ressaltou que espera que isso "não volte a acontecer, porque a difusão do vídeo nada mais fez do que aumentar o tormento dos familiares".

Veja o vídeo; atenção: as imagens podem chocar:

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade