PUBLICIDADE

Mundo

Venezuela revoga convite a observadores eleitorais da UE para eleição presidencial de julho

28 mai 2024 - 20h03
Compartilhar
Exibir comentários

A Venezuela revogou seu convite para que a União Europeia envie observadores eleitorais ao pleito presidencial marcado para julho, disse Elvis Amoroso, chefe do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) nesta terça-feira. 

No início deste mês, a UE removeu temporariamente as sanções individuais contra Amoroso, medida que ele minimizou, dizendo que todas as sanções contra a Venezuela deveriam ser suspensas.

Pouco depois, o Legislativo controlado pelo governo aprovou uma medida para pedir ao CNE que revogue o convite para os observadores eleitorais da UE.

"Eles não são pessoas dignas de vir a este país… enquanto mantiverem sanções", afirmou Amoroso, ao ler um comunicado na televisão estatal. 

As sanções da UE são colonialistas e "coercitivas, unilaterais e genocidas", acrescentou Amoroso, na declaração.

A Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), a Comunidade do Caribe (Caricom), e um painel de especialistas das Nações Unidas, além da União Africana e do Centro Carter, entre outros, participarão como observadores, acrescentou Amoroso.

A votação de julho será a primeira vez em uma década que a oposição, que boicotou a eleição de 2018, participará de uma disputa presidencial. 

O presidente Nicolás Maduro, do partido Socialista, buscará seu terceiro mandato, enquanto o ex-embaixador Edmundo Gonzalez se candidatou em nome de uma grande coalizão de oposição.

O governo de Maduro chegou a um acordo com a oposição no ano passado para realizar as eleições, o que levou os EUA a temporariamente afrouxarem sanções ao setor do petróleo da Venezuela. 

Depois, em abril, Washington restaurou as sanções à indústria petrolífera venezuelana, argumentando que o governo do país não havia feito o suficiente para que o processo eleitoral seja justo. 

A oposição criticou duramente a forma como o governo lidou com a eleição, especialmente após a vencedora das primárias, Maria Corina Machado, ter a proibição de ocupar cargos públicos confirmada pelo tribunal superior do país, forçando a escolha de Gonzalez como substituto.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade