3 eventos ao vivo

Uruguai passa a deixar isolamento e tenta recuperar economia

Estratégia do governo uruguaio tem sido ajustar a saúde e a economia, evitando a quarentena obrigatória e apelando para a responsabilidade da população; país tem apenas 17 mortos por covid-19

5 mai 2020
14h39
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

MONTEVIDÉU - Com mais de 3,5 milhões de casos positivos e 250.000 mortes no mundo devido ao coronavírus, o governo do Uruguai assumiu uma posição diferente em relação à "quarentena obrigatória". O país não adotou nem um confinamento rigoroso, nem uma negação dos casos.

A posição do presidente uruguaio, Luis Lacalle Pou, foi cuidadosa e sua estratégia tem sido ajustar a saúde e a economia, evitando a quarentena obrigatória e apelando para a responsabilidade da população. Até agora, obteve bons resultados com mais recuperados do que infectados e 17 mortes no total.

Luis Lacalle Pou
Luis Lacalle Pou
Foto: Mariana Greif / Reuters

Lacalle Pou assumiu a presidência do país treze dias antes do início da pandemia de coronavírus. "Ele recebeu uma herança macroeconômica complexa, com um alto déficit fiscal (entre 5% e 6% do PIB) e uma dívida pública que havia crescido cerca de 10 pontos em termos de PIB nos anos anteriores. Mas também em melhores condições do que muitos países da região em termos sociais" explicou ao site Infobae o economista Javier Haedo.

O Uruguai sempre se destacou por possuir uma ampla rede de proteção social. A pobreza em 9%, o desemprego em 10% e a informalidade do trabalho em 24% são dados ruins, mas não tão ruins quanto em outros países da região. "Para melhorar, a a estratégia do governo envolve avançar para uma nova normalidade de maneira progressiva e gradual", disse Haedo.

Um exemplo dessa medida foi o setor de construção no Uruguai. Foi suspenso de 24 de março a 13 de abril para impedir a propagação do covid-19, razão pela qual os trabalhadores receberam um salário para sair de férias. Quando a atividade foi reaberta, não houve explosão de casos positivos, muito pelo contrário: na semana passada foram realizados testes aleatórios nos trabalhadores e os resultados foram negativos.

A indústria da construção emprega 100.000 pessoas, do arquiteto aos pedreiros, o que coloca o governo do presidente Luis Lacalle Pou em um cenário otimista para planejar o retorno às diversas atividades econômicas e sociais gradualmente e garantir que elas não se deteriorem.

A ideia do governo uruguaio é permitir que se acelere a economia se os resultados forem bons e retardar o processo ou apertar o confinamento se piorar. "Entendo essa estratégia razoavelmente, a fim de evitar o aprofundamento e a extensão de uma recessão severa, com a consequente perda de empregos e empresas. Devemos tentar evitar a destruição do capital que a sociedade possui em seus trabalhadores e em suas empresas ", disse Haedo ao Infobae.

Com um desenvolvimento programado e organizado, as empresas começaram a operar de maneira diferente: basicamente assumindo o papel fundamental que desempenham na prevenção da doença. Cada proprietário elaborou seu próprio protocolo sanitário, mas todos são obrigados a usar máscaras, luvas e oferecer álcool em gel ao público.

A Câmara de Comércio e Serviços do Uruguai (CCSU) realizou uma forte campanha com os trabalhadores na prevenção e que trabalham em conjunto com o governo no "retorno à normalidade".

A última pesquisa da Câmara refletiu a dura realidade pela qual as empresas estão passando, com uma queda nas vendas de 75% ou mais após o aparecimento do coronavírus. Além disso, 60% das empresas consideram que as medidas de apoio são "insuficientes". Quase 70% da atividade, que inclui as categorias de motoristas, agências de viagens, clubes, cooperativas, hotéis e imóveis, entre outros, fecharam suas portas.

Apesar de 85% da atividade econômica ter voltado ao normal, nas dependências comerciais não mais de 5 pessoas podem entrar, respeitando sempre a distância de um metro de prevenção.

As chaves da estratégia uruguaia

Em 13 de março, o Uruguai detectou o primeiro caso positivo de coronavírus no país. Desde então, o governo suspendeu aulas e grandes eventos e lançou uma série de medidas para enfrentar a pandemia. Estes são os mais importantes:

1. Escolas rurais

As classes em localidades distantes dos grandes centros urbanos foram as primeiras a serem retomadas, pois isso não significou uma sobrecarga de transporte público ou um obstáculo ao distanciamento social.

2. Incentivo ao investimento privado

O governo uruguaio apostou em um plano de estímulo para ajudar o setor privado a se recompor e retornar ao caminho do crescimento. Atualmente, existe um programa para promover grandes investimentos, que inclui importantes isenções fiscais. Isso foi diferenciado de outros governos da região que optam por aumentar os impostos para aumentar a arrecadação.

3. Seguro de desemprego

No início da pandemia, foi criado um seguro parcial para os trabalhadores que, sem terem perdido o emprego, enfrentam suspensões e redução da jornada de trabalho.

4. Créditos e subsídios

Para proteger os trabalhadores por conta própria, que são em muitos casos os mais afetados pela paróquia, o Ministério do Desenvolvimento Social concederá um subsídio de 6.800 pesos uruguaios (US $ 160) por dois meses a cerca de 10.000 comerciantes. Além disso, empréstimos de 12.000 pesos (US $ 282) serão concedidos a trabalhadores independentes, que podem ser acessados ??por até 67.000 pessoas. Por outro lado, para as 118.000 famílias de baixa renda, beneficiárias do Plano de Ações, serão distribuídas cestas básicas.

5. Cortar salários a funcionários

Lacalle Pou anunciou no final de março uma redução na aposentadoria e nos salários dos funcionários públicos por dois meses. O dinheiro será usado para criar um fundo para cobrir as despesas causadas pela pandemia.

6. testes aleatórios

Todos os países que estão começando a relaxar confinados sabem que uma das chaves é o teste em massa. É o que permite detectar rapidamente novas infecções e isolá-las, sem precisar interromper toda a atividade. O Uruguai está indo nessa direção, com uma taxa de 5.400 testes por milhão de habitantes, mais do que o triplo da Argentina (1.240) e do Brasil (1.597)./AFP e REUTERS

Veja também:

Explosão em Beirute arranca repórter de cadeira em entrevista ao vivo
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade