2 eventos ao vivo

Taxa contra turistas em Veneza entrará em vigor em julho

Início da medida já foi adiado duas vezes pela Prefeitura

9 out 2019
12h30
atualizado às 12h33
  • separator
  • 0
  • comentários

A Prefeitura de Veneza adiou para 1º de julho de 2020 a entrada em vigor da taxa de desembarque que será cobrada de turistas que não pernoitarem no centro histórico da cidade.

Moradores de Veneza protestam contra o turismo de massa na cidade, que provoca esvaziamento populacional do centro histórico
Moradores de Veneza protestam contra o turismo de massa na cidade, que provoca esvaziamento populacional do centro histórico
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

Essa é a segunda mudança na data de implantação da medida, que estava prevista para começar em setembro passado, prazo que depois foi adiado para 1º de janeiro de 2020.

Segundo o secretário de Orçamento de Veneza, Michele Zuin, o novo adiamento se deve a "situações objetivas que não dependem da Prefeitura", mas garantirá que a iniciativa esteja em pleno funcionamento no primeiro dia de aplicação.

A taxa deve começar com preço único de três euros, em caráter experimental, e subir gradualmente até oito euros em dias úteis e 10 nos fins de semana e feriados, mas os preços ainda podem mudar.

A cobrança atingirá turistas que visitarem a Lagoa de Veneza e as ilhas da cidade, mas sem pernoitar na região, como passageiros de navios de cruzeiro - aqueles que dormem no centro histórico já pagam a "tassa di soggiorno", que varia de um a cinco euros por diária.

Ao todo, 22 categorias serão isentas, como moradores da região do Vêneto, pessoas em busca de tratamento médico, deficientes físicos, trabalhadores pendulares e estudantes.

A Prefeitura pretende desenvolver nos primeiros meses de 2020 um sistema para solicitação de isenção e outro para fazer a arrecadação da taxa online. Também haverá postos de cobrança em terra firme e nas províncias vizinhas a Veneza. A nova data ainda depende da aprovação da Assembleia Municipal, mas o prefeito Luigi Brugnaro conta com maioria na casa.

Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade