PUBLICIDADE

Ser pró-vida não significa apenas se opor ao aborto, diz Vaticano após decisão dos EUA

25 jun 2022 - 15h42
Ver comentários
Publicidade

Ativistas antiaborto devem se preocupar com outras questões que podem ameaçar a vida, como acesso fácil a armas, pobreza e taxas crescentes de mortalidade materna, disse o diretor editorial do Vaticano neste sábado.

Em um editorial de mídia sobre a decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos que acabou com o direito constitucional ao aborto, Andrea Tornielli disse que aqueles que se opõem a isso não podem escolher questões pró-vida de maneira aleatória.

"Ser pró-vida sempre, por exemplo, significa se preocupar se as taxas de mortalidade das mulheres por maternidade aumentaram", escreveu.

Ele citou estatísticas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças mostrando um aumento nas taxas de mortalidade materna em geral e que a taxa era quase três vezes maior para mulheres negras.

"Ser pró-vida sempre significa perguntar como ajudar as mulheres a acolher uma nova vida", escreveu ele, citando uma estatística sem fontes de que 75% das mulheres que abortam vivem na pobreza ou recebem baixos salários.

Ele também citou dados da revista Harvard Review of Psychiatry mostrando que os Estados Unidos têm taxas muito mais baixas de licença parental remunerada em comparação com outras nações ricas.

"Ser pró-vida sempre também significa defendê-la contra a ameaça das armas de fogo, que infelizmente se tornaram uma das principais causas de morte de crianças e adolescentes nos EUA", escreveu.

A Igreja Católica Romana prega que o aborto é assassinato porque a vida começa no momento da concepção e termina com a morte natural.

O papa Francisco comparou fazer um aborto a "contratar um assassino de aluguel" para eliminar uma pessoa problemática.

Mas ele tentou desviar a Igreja Católica norte-americana da noção de que o aborto é o único e grande problema em meio às chamadas guerras culturais no país.

A pena de morte, o controle de armas, o apoio às famílias e a imigração também são questões de vida, disse ele.

A Pontifícia Academia para a Vida elogiou a decisão da Suprema Corte dos EUA de sexta-feira, dizendo que ela desafia o mundo a refletir sobre essas questões, mas também pediu mudanças sociais para ajudar as mulheres a manter seus filhos.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade