PUBLICIDADE

Reino Unido prende 2 suspeitos de ligação com sequestro no Texas

Ataque foi cometido pelo britânico Malik Faisal Akram

17 jan 2022 08h08
| atualizado às 09h59
ver comentários
Publicidade

A polícia antiterrorismo do Reino Unido prendeu na noite do último domingo (16) dois adolescentes suspeitos de ligação com o sequestro em uma sinagoga de Colleyville, nos Estados Unidos.

Entrada de sinagoga alvo de sequestro em Colleyville, EUA
Entrada de sinagoga alvo de sequestro em Colleyville, EUA
Foto: EPA / Ansa - Brasil

O ataque foi cometido pelo cidadão britânico Malik Faisal Akram, de 44 anos, que acabou morto pelas forças de segurança americanas. "Dois adolescentes foram detidos no sul de Manchester. Eles permanecem sob custódia para interrogatório", disse a polícia britânica, sem dar mais informações.

Horas antes, no entanto, o FBI tinha dito que não havia nenhum indício de participação de outros indivíduos no sequestro, que foi definido pelo presidente Joe Biden como um "ato de terrorismo". O incidente durou cerca de 10 horas, mas todos os quatro reféns foram libertados sãos e salvos.

Akram exigia a libertação da paquistanesa Aafia Siddiqui, neurocientista condenada a 86 anos de prisão nos EUA sob a acusação de tentar matar militares americanos no Afeganistão, mas não se sabe ainda qual era a ligação entre os dois.

Ele chegou a dizer que era irmão da neurocientista, informação desmentida pouco depois. "O sequestrador não tem nada a ver com a doutora Aafia, sua família ou a campanha global por justiça para Aafia", disse o Conselho de Relações Americo-Islâmicas.

Um homem que se identificou como irmão de Akram escreveu no Facebook que o agressor sofria de problemas mentais. "Como família, não justificamos nenhuma de suas ações e gostaríamos de pedir desculpas sinceras para todas as vítimas envolvidas nesse incidente infeliz", afirmou.

Siddiqui, conhecida como "Lady Al-Qaeda", foi presa no Afeganistão em 2008 e cumpre pena em uma penitenciária no Texas, a cerca de 30 quilômetros da sinagoga palco do sequestro. 

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade