PUBLICIDADE

Protesto contra "genocídio em Gaza" deixa 2 mortos em Ramala

Manifestantes também pediram a suspensão do bloqueio econômico e da ofensiva militar israelense à região

24 jul 2014 19h26
| atualizado às 19h32
ver comentários
Publicidade
<p>Manifestantes protestam contra os ataques israelenses à Gaza, em Nazaré, em 24 de julho</p>
Manifestantes protestam contra os ataques israelenses à Gaza, em Nazaré, em 24 de julho
Foto: Twitter

Duas pessoas morreram baleadas e outras duas ficaram feridas nesta quinta-feira durante um protesto em Ramala contra o que os manifestantes chamavam de "genocídio em Gaza".

Convocada pelas redes sociais e pelas mesquistas em uma noite especial do calendário muçulmano - a noite do destino, na qual o Corão foi revelado, a manifestação saiu do campo de refugiados de Al Amari até a passagem de Qalandia.

Este posto de controle, aberto no muro de separação que separa a Cisjordânia dos bairros de Jerusalém Oriental, permanece tomado pelas forças israelenses, que colocaram blocos de concreto e bloquearam o trânsito.

Manifestações semelhantes aconteceram hoje em cidades como Nazaré, que fica em Israel mas tem maioria árabe, e Nablus, Belém e Tulkarem, na Cisjordânia, onde pelo menos 10 pessoas ficaram feridas.

Eles exigiam o fim do que consideram "o genocídio dos palestinos de Gaza", a suspensão do bloqueio econômico e da ofensiva militar israelense à Faixa, a abertura da passagem fronteiriça de Rafah, que é a única saída de Gaza para o resto do mundo.

Segundo números oficiais na Faixa, cerca de 750 palestinos morreram, a maioria civis, e mais de quatro mil ficaram feridos desde que começou a operação Limite Protetor contra Gaza.

Faixa de Gaza: entenda o conflito Faixa de Gaza: entenda o conflito
Conheça um pouco mais sobre a região, que tem um quarto do tamanho do município de São Paulo, mas uma enorme importância para a história do Oriente Médio

EFE   
Publicidade
Publicidade