PUBLICIDADE

Mundo

Operação da Interpol relata aumento de migrantes asiáticos e africanos na América

11 dez 2023 - 12h14
Compartilhar
Exibir comentários

Uma recente operação de repressão ao contrabando de migrantes e ao tráfico de pessoas na América encontrou migrantes de 69 países, um indicador do crescimento acentuado de asiáticos e africanos que estão cruzando oceanos e continentes para chegar aos Estados Unidos.

Coordenada pela organização policial internacional Interpol, a quinta Operação Turquesa anual uniu agentes de imigração de todo o continente de 27 de novembro a 1º de dezembro em uma tentativa de desmantelar sindicatos internacionais do crime.

Entre as vitórias, as autoridades alegaram ter detido um cidadão português que comprava bebês recém-nascidos de mulheres brasileiras pobres para vender na Europa, prendido três suspeitos ligados à famosa gangue venezuelana Tren de Aragua e congelado 286.000 dólares em bens pertencentes a uma rede que recrutava brasileiros para um centro de fraude cibernética no Camboja.

Na operação, a Interpol reuniu agentes da lei de 31 países, incluindo Cuba pela primeira vez, além da França e da Espanha. Juntos, eles efetuaram 257 prisões, resgataram 163 supostas vítimas de tráfico humano e detectaram quase 12.000 imigrantes sem documentos de 69 países, informou a Interpol.

Dezenas de vítimas de tráfico eram crianças, incluindo 12 em Honduras.

Com foco em migrantes destinados aos EUA e ao Canadá, a operação deste ano mostrou um "aumento acentuado" de migrantes da Ásia e da África, particularmente da China, que foi o terceiro país de origem mais popular, atrás da Venezuela e do Equador, disse a Interpol.

"O número de nacionalidades detectadas durante a Operação Turquesa 5 demonstra como esse importante corredor migratório, antes considerado uma rota reservada às Américas, tornou-se alvo de grupos do crime organizado de todo o mundo", disse o secretário-geral da Interpol, Jurgen Stock, em um comunicado.

Os migrantes que cooperaram com a polícia forneceram informações sobre táticas de recrutamento, condições de viagem e o custo do contrabando, que variava de 2.700 dólares a 20.000 dólares por pessoa, dependendo da viagem, disse a Interpol. Os contrabandistas geralmente têm vínculos com o comércio de drogas ilícitas, rendendo fortunas incalculáveis a criminosos já estão cheios de dinheiro.

O número de migrantes encontrados na fronteira dos EUA com o México provenientes de países fora da América Latina e do Caribe aumentou 43% entre os anos fiscais de 2022 e 2023, de acordo com dados dos EUA.

Em outubro, primeiro mês do ano fiscal de 2024, havia quase 12.000 migrantes na fronteira provenientes desses países "extracontinentais", quase a mesma quantidade que chegou em todo o ano de 2021.

BRASIL COMO CENTRO DE MIGRAÇÃO

A Operação Turquesa também ofereceu uma visão do papel de destaque do Brasil no comércio transcontinental, com migrantes cruzando o país. A maioria tinha como destino os Estados Unidos, outros a Europa e alguns se estabeleceram no próprio Brasil, de acordo com a Polícia Federal.

A Polícia Federal enviou agentes a nove pontos do território brasileiro, que faz fronteira com 10 outros países.

O Brasil detectou padrões como o de migrantes de Cuba e do Haiti que viajam para Guiana, depois atravessam ilegalmente para o Brasil e fazem uma viagem terrestre de dois dias até Manaus. Lá, eles iniciam uma viagem de barco de mais de 1.000 quilômetros, com duração de uma semana, subindo o rio Amazonas até o posto avançado na selva de Tabatinga, na fronteira com a Colômbia e o Peru.

Tabatinga também atrai migrantes de outros lugares da bacia do Caribe que têm como destino a Europa, segundo a polícia. Em uma rota, cidadãos da República Dominicana obtêm passaportes colombianos falsos na Colômbia, atravessam para o Brasil em Tabatinga e fazem a longa viagem até São Paulo, a mais de 3.200 km de distância, sua última parada antes da Europa.

"Temos essa política de braços abertos (imigração)... e temos alguns vizinhos complicados em relação à produção de drogas e tudo o mais", disse o comissário Cristiano Eloi, chefe da Divisão de Repressão ao Tráfico de Pessoas e Contrabando de Migrantes da PF.

"E temos esses mais de 16.000 quilômetros (de fronteira) com todos esses países latino-americanos. Isso torna absolutamente impossível cuidar de cada centímetro de nossas fronteiras."

Outro agente da PF, que falou sob condição de anonimato por não ser o porta-voz oficial, disse que muitos suspeitos de crimes se misturam aos migrantes, que muitas vezes relutam em cooperar. Além disso, a lei brasileira impede que a polícia prenda pessoas simplesmente por violações de imigração.

Com essas limitações, o Brasil prendeu apenas três suspeitos na operação, mas libertou quatro vítimas do tráfico: os dois bebês que seriam vendidos e mais duas mulheres que foram detidas no aeroporto em São Paulo antes de irem para a Europa, disse Eloi.

"Não estamos indo atrás dos migrantes", disse Eloi à Reuters. "Estamos indo atrás do contrabandista... dos traficantes que estão enviando pessoas para serem exploradas."

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade