PUBLICIDADE

Nova Zelândia manterá fronteiras fechadas até abril de 2022

País proíbe turistas estrangeiros desde início da pandemia

24 nov 2021 10h17
| atualizado às 10h30
ver comentários
Publicidade

O governo da Nova Zelândia anunciou nesta quarta-feira (24) que as fronteiras do país permanecerão fechadas para viajantes estrangeiros até o final de abril em virtude da pandemia do novo coronavírus.

Nova Zelândia adotou umas das medidas restritivas mais rígidas do mundo
Nova Zelândia adotou umas das medidas restritivas mais rígidas do mundo
Foto: Reprodução/Twitter / Ansa - Brasil

"Uma abordagem em fases para se reconectar com o mundo é a mais segura para garantir que o risco seja gerenciado com cuidado, reduzindo qualquer potencial impacto nas comunidades vulneráveis e no sistema de saúde da Nova Zelândia. Reconhecemos que a situação tem sido difícil, mas o fim das restrições às viagens está à vista", disse o ministro da luta contra a Covid-19 da nação, Chris Hipkins, em uma coletiva.

Os turistas totalmente vacinados contra o novo coronavírus receberão a permissão para entrar no país a partir de 30 de abril. Já os neozelandeses imunizados e que estão retidos na vizinha Austrália, poderão retornar no mês de janeiro, enquanto os que permanecem em outras nações do mundo precisarão esperar até fevereiro.

Aliado ao seu isolamento geográfico, o país do Pacífico Sul colocou em vigor algumas das restrições mais rígidas do mundo, conseguindo limitar a disseminação do novo coronavírus e ajudar sua economia a se recuperar de maneira mais rápida.

No entanto, um surto da altamente contagiosa variante Delta forçou a Nova Zelândia a mudar sua estratégia de combate ao vírus, com a cidade de Auckland, por exemplo, reabrindo gradualmente conforme as taxas de vacinação aumentam.

O novo sistema da Nova Zelândia para tentar lutar contra o coronavírus Sars-CoV-2 é uma espécie de "semáforo" pandêmico, que é baseado na utilização de passaportes de vacinas. O método colocará um fim nos bloqueios usados pela nação para eliminar os surtos de Covid-19. .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade