0

Hackers atacaram campanhas presidenciais nos EUA, diz Google

Campanhas de Biden e Trump foram atacadas por hackers chineses e iranianos segundo um executivo de segurança do Google

4 jun 2020
15h27
atualizado às 15h41
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
 Hackers chineses e iranianos atacaram campanhas presidenciais de Biden e Trump, diz Google
Hackers chineses e iranianos atacaram campanhas presidenciais de Biden e Trump, diz Google
Foto: Reuters/Getty / BBC News Brasil

Hackers apoiados pelo governo da China atacaram funcionários da campanha do candidato democrata à presidência dos Estados Unidos Joe Biden, disse um executivo de segurança do Google nesta quinta-feira (05), acrescentando que hackers iranianos recentemente atacaram contas de email da equipe de campanha do presidente republicano, Donald Trump.

O anúncio foi feito no Twitter pelo chefe do Grupo de Análise de Ameaças do Google, Shane Huntley, acrescentando que não há sinais de que os ataques foram bem sucedidos.

As tentativas iranianas de invadir os emails dos funcionários da campanha de Trump já foram documentadas antes. No ano passado, a Microsoft anunciou que um grupo frequentemente apelidado de Charming Kitten havia tentado invadir contas de email pertencentes a uma campanha presidencial norte-americana, que fontes identificaram como sendo a de Trump.

No início deste ano, a empresa Area 1 Security disse que hackers russos tiveram como alvo empresas ligadas a uma companhia de gás ucraniana onde o filho de Biden já atuou no conselho de administração.

O Google se recusou a fornecer mais detalhes além das publicações de Huntley. "Enviamos aos usuários-alvo nosso aviso padrão de ataque apoiado por governos e encaminhamos essas informações para as autoridades federais", disse um porta-voz do Google.

 

Veja também:

Piscina de mergulho mais funda do mundo abre na Polônia
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade