PUBLICIDADE

'Garota napalm' passa por 12º e último tratamento contra queimaduras

O desespero de Kim Phuc ficou registrado em emblemática fotografia de Nick Ut na Guerra do Vietnã

1 jul 2022 - 11h43
(atualizado às 11h44)
Ver comentários
O fotógrafo Nick Ut exibe sua famosa foto 'garota napalm', tirada na Guerra do Vietnã
O fotógrafo Nick Ut exibe sua famosa foto 'garota napalm', tirada na Guerra do Vietnã
Foto: Reuters

Kim Phuc, conhecida mundialmente como ‘garota napalm’, passou por seu último tratamento de pele contra queimaduras em Miami, nos Estados Unidos, cinquenta anos após ser vítima do armamento incendiário durante a Guerra do Vietnã (1955-1975).

Segundo reportagem da TV norte-americana NBC 6, a vietnamita realizou um procedimento a laser para as cicatrizes deixadas pelo ataque e também para as dores que ainda sente mesmo décadas após o conflito.

Kim Phuc tinha apenas nove anos de idade quando explosivos de napalm atingiram o vilarejo em que morava no Vietnã no ano de 1972. A garota saiu desesperada com queimaduras pelo corpo. O momento foi registrado pelo fotógrafo Nick Ut em um registro icônico da história.

Phuc teve queimaduras em 65% do corpo. Hoje, aos 59 anos, ainda carrega muitas das cicatrizes dos horrores da guerra.  “Eu ouvi o barulho [do ataque], bup-bup bup-bup, e então havia fogo em todos os lugares ao meu redor, e eu vi o fogo por todo o meu braço", lembra.

Kim Phuc passa por 12º tratamento contra queimaduras na pele
Kim Phuc passa por 12º tratamento contra queimaduras na pele
Foto: Reprodução

Na ocasião de seu último tratamento, Phuc também se reuniu com o fotógrafo Nick Ut. Juntos, os dois relembraram do encontro fatídico. "Quando ela estava correndo, eu vi seu braço queimando, seu corpo queimando muito", disse Ut, a quem Phuc credita por salvar sua vida. “Depois que ele tirou minha foto, ele largou a câmera e me levou às pressas para o hospital mais próximo", acrescentou ela.

Phuc, que agora mora em Toronto, no Canadá, e Ut, que mora em Los Angeles (EUA), fizeram de sua missão de vida espalhar a paz. “Desejo que todos aprendam a viver com amor, esperança e perdão e, se todos puderem aprender a viver assim, não precisaremos de guerra”, ressaltou Phuc.

Fonte: Redação Terra
Publicidade
Publicidade