PUBLICIDADE

G7 apoia ajuda e armas à Ucrânia em demonstração contra Rússia

Os ministros das Relações Exteriores do G7 apoiaram o fornecimento de mais ajuda e armas à Ucrânia em reunião nesta sexta (13)

13 mai 2022 12h14
| atualizado às 16h28
ver comentários
Publicidade
Dia 5/5 - Foto recente mostra os restos do An-225 Mriya, que era o maior avião do mundo antes de ser bombardeado na guerra
Dia 5/5 - Foto recente mostra os restos do An-225 Mriya, que era o maior avião do mundo antes de ser bombardeado na guerra
Foto: Reuters

Ministros das Relações Exteriores do G7 apoiaram o fornecimento de mais ajuda e armas à Ucrânia quando se reuniram nesta sexta-feira, no que a Alemanha chamou de "poderoso sinal de unidade" para aprofundar o isolamento global da Rússia.

O chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, anunciou mais 500 milhões de euros em apoio militar à Ucrânia e disse estar confiante de que um embargo da UE ao petróleo russo possa ser acordado nos próximos dias.

A ministra das Relações Exteriores do Reino Unido, Liz Truss, anunciou novas sanções contra a rede financeira e o círculo íntimo do presidente russo, Vladimir Putin, incluindo sua ex-mulher e primos, e também pediu o aumento do fornecimento de armas para a Ucrânia.

A reunião anual que vai até sábado reúne os principais diplomatas de Reino Unido, Canadá, Alemanha, França, Itália, Japão, Estados Unidos e UE em um castelo de 400 anos no resort alemão de Weissenhaus, no Mar Báltico.

Acontece após promessas dos líderes do G7 no fim de semana passado de proibir ou eliminar gradualmente a compra de petróleo russo.

O evento, do qual participaram os ministros das Relações Exteriores da Ucrânia e da Moldávia, também destacará as preocupações com a segurança alimentar e os temores de que a guerra na Ucrânia possa se espalhar para a vizinha Moldávia.

"Nunca desde o fim da Guerra Fria nós, parceiros do G7, fomos tão profundamente desafiados. Nunca antes estivemos tão unidos", disse em um tuíte a ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, antes da reunião.

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade