0

Ex-presidente do Peru é detido por corrupção ligada à Odebrecht

Kuczynski, um ex-banqueiro de 80 anos que trabalhou em Wall Street, já havia sido proibido de sair do país por 18 meses.

10 abr 2019
17h39
atualizado às 17h52
  • separator
  • 0
  • comentários

O ex-presidente peruano Pedro Pablo Kuczynski foi levado de sua casa para uma delegacia nesta quarta-feira em cumprimento a um mandado de prisão temporária de 10 dias emitido por um juiz enquanto é investigado por sua relação com supostos atos de corrupção da construtora brasileira Odebrecht.

Kuczynski assumiu a presidência em meados de 2016, mas renunciou em março de 2018 devido à divulgação de vídeos que mostraram uma suposta compra de votos para evitar que o Congresso o destituísse na esteira de acusações de que ele mentiu sobre seus vínculos com a Odebrecht.

O ex-mandatário rechaçou a decisão judicial e afirmou que se trata de um momento muito duro para ele, mas que o enfrentará com "a integridade de quem só teve o anseio de ter um país melhor".

Ex-presidente do Peru Pedro Pablo Kuczynski
10/04/2019
REUTERS/Stringer
Ex-presidente do Peru Pedro Pablo Kuczynski 10/04/2019 REUTERS/Stringer
Foto: Reuters

"É uma arbitrariedade. Colaborei totalmente com todas as investigações e compareci pontualmente a todas as convocações das autoridades judiciais. Nunca me esquivei da Justiça", afirmou ele no Twitter.

Kuczynski, um ex-banqueiro de 80 anos que trabalhou em Wall Street, já havia sido proibido de sair do país por 18 meses.

Seu advogado, Nelson Miranda, qualificou o mandado de prisão como "arbitrário" em declarações à televisão e anunciou que apelará da decisão judicial.

Imagens da TV local mostraram o traslado de Kuczynski de sua residência, no bairro residencial San Isidro, à sede do Instituto Médico Legal de Lima.

O ex-presidente parecia tranquilo ao ingressar para um exame de seu estado de saúde, parte do processo de detenção solicitado por uma equipe legal. Depois ele foi levado à sede policial de Lima.

O escândalo de corrupção da empreiteira brasileira respingou nos quatro ex-presidentes anteriores do país minerador desde 2001: Alejandro Toledo, Alan García, Ollanta Humala e agora Kuczynski.

Procuradores acusam o ex-líder de estar ligado a "atos de corrupção" devido a contratos para construir uma estrada e uma obra de irrigação oferecidos à Odebrecht quando Kuczynski era ministro de Toledo, segundo a denúncia vista pela Reuters. Sua secretária e seu chofer também são alvos de mandados de prisão temporária de 10 dias, acrescentou.

Kuczynski, que teve a cidadania norte-americana, negou qualquer delito em sua relação com a Odebrecht e se comprometeu a cooperar com os procuradores que investigam os vínculos de empresas brasileiras com políticos locais.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade