0

Turquia: manifestantes e polícia se enfrentam; 1,7 mil foram presos

2 jun 2013
12h22
atualizado às 17h40
  • separator
  • 0
  • comentários

A polícia turca disparou bombas de gás lacrimogêneo e utilizou canhões de água para dispersar neste domingo manifestantes em Ancara no terceiro dia de manifestações contra o governo do primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan. Até agora o dia tinha transcorrido em relativa calma após duas jornadas de protestos em toda a Turquia.

A polícia prendeu mais de 1,7 mil pessoas nas manifestações, mas a maioria dos detidos foram libertados, anunciou neste domingo o ministro do Interior, Muamer Guler. No total, foram registradas 235 manifestações em todo o país desde 28 de maio, acrescentou Guler, citado pela agência de notícias Anatolia.

A polícia, que desistiu de evacuar os presentes na praça de Kizilay, está utilizando gás lacrimogêneo contra grupos de ativistas que tentam se aproximar do palácio do primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, informaram algumas testemunhas, que asseguraram que várias pessoas estão feridas.

No entanto, a repressão dos protestos parece menor hoje do que ontem, quando 30 estudantes ficaram feridos, alguns deles em estado grave, acrescentaram as fontes.

Desde ontem, cerca de 10 mil pessoas, principalmente estudantes, ocupam a praça Kizilay na capital turca, o que surgiu como uma manifestação de apoio aos protestos que paralisaram Istambul pela defesa de um parque público ameaçado por planos urbanísticos.

Em outras dezenas de cidades turcas vem ocorrendo protestos similares de apoio aos manifestantes de Istambul.

O governo de Erdogan enfrenta uma das mais importantes ondas de protesto desde sua chegada ao poder, em 2002.

Os protestos começaram na sexta-feira devido a um projeto de renovação da praça Taksim de Istambul, mas desencadeou manifestações contrárias ao governo em várias cidades do país.

Com informações de agências internacionais.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade