1 evento ao vivo

'Quem entra papa sai cardeal', diz arcebispo brasileiro sobre conclave

"O resultado de um conclave é sempre uma surpresa", conta Dom Raymundo Damasceno Assis; para ele, Joseph Ratzinger "deixa legado de simplicidade"

11 fev 2013
19h49
atualizado em 12/2/2013 às 17h52
  • separator
  • comentários

O arcebispo de Aparecida e presidente da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Raymundo Damasceno Assis, 75 anos, vai participar no próximo mês do Colégio de Cardeais que escolherá o sucessor de Joseph Ratzinger, o papa Bento XVI. Como membro do colégio - que tem 120 membros - ele tem direito de votar e também de ser votado, mas afirmou que a passagem que o levará a Roma será de "ida e volta".

O cardeal Raymundo Damasceno Assis em fotografia de 20 de novembro de 2010
O cardeal Raymundo Damasceno Assis em fotografia de 20 de novembro de 2010
Foto: AFP

"O resultado de um conclave é sempre uma surpresa. Pode durar um tempo longo ou ser muito rápido. O papa Bento XVI foi eleito no quarto escrutínio, em dois dias. Ninguém entra candidato a Papa, não é uma convenção política. Não há propaganda, publicidade. Todo mundo entra com poder de ser votado e votar", diz. "Sempre que vou a Roma compro passagens de ida e volta", disse ele, bem-humorado.

De acordo com Assis, com a renúncia, Bento XVI ficará afastado do processo da escolha do novo papa. "Ele não terá uma influência decisiva. É diferente da política onde um ex-presidente tenta influenciar o governo seguinte, ou futuros candidatos à presidência. Bento XVI é muito comedido, muito discreto. É uma pessoa introspectiva, tímida. Certamente, após deixar o papado, vai se dedicar à reflexão, à oração", afirmou ele.Segundo Assis, durante o conclave é importante ter a capacidade de ler os sinais, o que se está pedindo para o novo pontificado. "Ninguém entra candidato a Papa, não é uma convenção política. Há uma brincadeira entre nós de que aquele que entra Papa sai cardeal ao fim da escolha", disse.

Papa dá exemplo de que não se deve morrer no cargo, diz historiador

Simplicidade
O arcebispo, que recebeu Bento XVI em Aparecida durante a visita do papa ao Brasil em 2007, diz que o legado deixado por ele é muito precioso. "É um homem que deixa legado de simplicidade. Quando esteve conosco, quebrou inteiramente a imagem de um alemão duro, ortodoxo, rígido. Deixou todos encantados pela sua humildade".

Assis conta que esteve com o papa pela última vez em outubro e que notou Ratzinger um pouco mais cansado do que o habitual. "Deu para sentir ali que a idade já estava pesando. Que ele estava um pouco mais magro, cansado. O peso do magistério acho que conta também. E foram essas, justamente, as alegações para a sua renúncia", afirmou.

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade