2 eventos ao vivo

Polônia cria polêmica lei sobre Holocausto; Israel protesta

Lei impede que poloneses sejam considerados cúmplices de crimes

1 fev 2018
08h01
atualizado às 08h15
  • separator
  • comentários

O Senado da Polônia aprovou nesta quinta-feira (1) uma polêmica lei que impede que o país seja citado como "cúmplice" ou "coautor" dos crimes cometidos durante o regime nazista na Segunda Guerra Mundial.

Auschwitz foi maior campo de concentração nazista
Auschwitz foi maior campo de concentração nazista
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

A votação, que se estendeu pela madrugada por conta dos protestos da oposição, contou com 57 votos a favor, 23 contra e duas abstenções. O texto já havia sido aprovado na Câmara Baixa, durante a última semana, e agora segue para a sanção presidencial.

Com isso, quem atribuir à Polônia as acusações sobre o período, como chamar o campo de concentração de Auschwitz como "campo da morte polonês", poderá pegar até três anos de prisão e pagar uma pesada multa.

Como havia ocorrido na primeira votação, Israel criticou muito o projeto. O ministro de Construção, Yoav Gallat, repetiu a afirmação do premier Benjamin Netanyahu e afirmou que a lei é um "caso de negação do Holocausto".

 "A memória de seis milhões de judeus assassinados é mais forte do que qualquer lei. Protegeremos a memória deles e faremos nossa lição: a capacidade de nos defender de nós mesmos", disse ainda.

Também um comitê de senadores do Estados Unidos havia pedido para barrar a nova legislação, bem como o Departamento de Estado do país "convidou" os senadores a "não dar um passo atrás e piorar as relações entre EUA e Polônia".

O documento afirma que todos os que falarem publicamente algo, em solo polonês ou no exterior, "que atribua à nação polonesa ou ao Estado polonês a responsabilidade, ou a corresponsabilidade, dos crimes cometidos pelo Terceiro Reich alemão ou ainda os crimes contra a humanidade, contra a paz ou outros crimes cometidos durante a guerra".

Auschwitz, o maior campo da morte de judeus pelos nazistas, fica na Polônia, assim como outras estruturas de tortura dos comandados de Adolf Hitler.

Veja também

Investigação da BBC revela que Talebã ainda atua na maior parte do Afeganistão

 

Ansa - Brasil   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade